Agnelo corta 10% do salário e barra aumentos

Choque de gesto no Distrito Federal; Governo corta vencimentos do primeiro escalo, determina o fim de reajustes para o funcionalismo at dezembro e extingue dois mil cargos em comisso; economia projetada pelas dez medidas de austeridade superior a R$ 153 milhes

Agnelo corta 10% do salário e barra aumentos
Agnelo corta 10% do salário e barra aumentos (Foto: Elza Fiúza/AGÊNCIA BRASIL)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marco Damiani _247- O governador Agnelo Queiroz acaba de eletrizar a administração do Distrito Federal com um verdadeiro choque de gestão. A partir de agora, e até o final do ano, está suspensa toda e qualquer possibilidade de ocorrerem rejustes salariais para as 27 categorias profissionais que compõem o funcionalismo público de Brasília.

Em complemento, serão extintos nada menos que dois mil cargos em comissão. Novos concursos, na mesma direção, nem sequer terão seu mérito analisado até maio, o que significa uma interrupção completa nas contratações na máquina pública.

Para ser o primeiro a dar o exemplo dos novos tempos de responsabilidade fiscal, Agnelo inseriu como primeiro item de seu pacote de dez medidas "prudenciais" de corte de despesas redução de dez por cento em seu próprio salário. O mesmo índice será retirado das remunerações do vice-governador, de todos os secretários de primeiro escalão e, também, dos administradores regionais.

Apenas com o pagamento dos aumentos concedidos ao funcionalismo em governos anteriores, o GDF terá um acréscimo estimado, em 2012, de R$ 1,1 bilhão em sua folha de pagamento. "É impossível suportar mais que isso", afirmou o secretário de Transparência e Controle, Carlos Higino. "Não é que não queremos dar reajustes ao nosso funcionalismo. O que ocorre é que simplesmente não podemos".

Nesta terça-feira (29), no salão nobre do Palácio do Buriti, o choque de gestão foi anunciado por uma equipe de cinco secretários de estado. Wilmar Lacerda, da Administração Pública, foi o centro da maioria das perguntas. "A decisão de não conceder novos reajustes até o final do ano é dura, mas foi explicada antecipadamente a entidades como a CUT, para que ficasse clara a situação", disse ele.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email