Alckmin não fecha portas para PSD

Governador ainda avalia possvel aliana com partido do prefeito Gilberto Kassab

Alckmin não fecha portas para PSD
Alckmin não fecha portas para PSD (Foto: EDSON LOPES JR/AGÊNCIA ESTADO)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A participação do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), na celebração de 32 anos do PT, na sexta-feira, não põe fim às conversas entre seu partido e os tucanos, na avaliação feita ontem pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). “Não (encerra as negociações). Nós queremos um grande arco de aliança para servir à população de São Paulo”, afirmou Alckmin. 

Kassab tem dito que tanto pode firmar uma aliança com o PSDB, se os tucanos apoiarem o nome do vice-governador Guilherme Afif Domingos (PSD) como cabeça de chapa, quanto um acordo em prol do pré-candidato do PT, Fernando Haddad. Na sexta-feira, o prefeito foi a Brasília, subiu ao palco do evento do PT e levou vaia dos militantes.

“Vai acontecer com ele o que aconteceu no PT. Vão vaiar, vão reclamar”, prevê o presidente estadual do PSDB, Pedro Tobias, se Kassab participar de um futuro evento dos tucanos. Para o dirigente, o prefeito indicou já ter partido na questão. “Ele quer estar do lado do governo, vai ser ministro, alguma coisa. Mas isso não é problema nosso, é do PT.”

Comedido, o presidente municipal do PSDB, Julio Semeghini, reconheceu que um acordo com Kassab está “mais difícil”, mas evitou descartá-lo. “Temos uma parceria de longo prazo com o prefeito. O que enfrentamos agora é um problema pontual.”

Entre os petistas, a participação de Kassab na festa do partido deixou mais evidente quem está a favor da aliança entre as siglas e quem é refratário à ideia e teme os ruídos que essa união provocaria na campanha. O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), considerou positiva a ida do prefeito à festa, apesar das vaias. “Só para lembrar, quando o (vice-presidente) José Alencar foi apresentado ao PT, houve muita vaia. Depois os militantes entenderam a importância dele para nós”, comparou. “Ele (Kassab) foi lá como convidado pela direção do PT, não foi de oferecido nem para mandar recado para ninguém.”

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247