Altman: risco do PT, sem projeto de poder, é 'domesticar-se'

Jornalista avalia que "agremiações de esquerda, se não têm projeto de poder, fenecem ou se adaptam à hegemonia das velhas classes dominantes, domesticando-se" e que "isso foi o que ocorreu com a social-democracia europeia"; "Esse é o risco que ronda o PT", afirma; em novo artigo em seu blog no 247, Breno Altman destaca que "o PT tem e sempre teve projeto de governo, o que é outra coisa: um compromisso de melhorar profundamente as condições de vida e trabalho dos mais pobres"; "Como qualquer força política que se preze, não quer deixar de ser governo. Mas isso é muito diferente de ter um projeto de poder", ressalta

Jornalista avalia que "agremiações de esquerda, se não têm projeto de poder, fenecem ou se adaptam à hegemonia das velhas classes dominantes, domesticando-se" e que "isso foi o que ocorreu com a social-democracia europeia"; "Esse é o risco que ronda o PT", afirma; em novo artigo em seu blog no 247, Breno Altman destaca que "o PT tem e sempre teve projeto de governo, o que é outra coisa: um compromisso de melhorar profundamente as condições de vida e trabalho dos mais pobres"; "Como qualquer força política que se preze, não quer deixar de ser governo. Mas isso é muito diferente de ter um projeto de poder", ressalta
Jornalista avalia que "agremiações de esquerda, se não têm projeto de poder, fenecem ou se adaptam à hegemonia das velhas classes dominantes, domesticando-se" e que "isso foi o que ocorreu com a social-democracia europeia"; "Esse é o risco que ronda o PT", afirma; em novo artigo em seu blog no 247, Breno Altman destaca que "o PT tem e sempre teve projeto de governo, o que é outra coisa: um compromisso de melhorar profundamente as condições de vida e trabalho dos mais pobres"; "Como qualquer força política que se preze, não quer deixar de ser governo. Mas isso é muito diferente de ter um projeto de poder", ressalta (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Sem um projeto de poder, o PT é alvo de um risco, afirma o jornalista Breno Altman, em novo artigo em seu blog no 247. "Partidos burgueses não têm problemas por apresentarem apenas projeto de governo. Afinal, atuam nos marcos do Estado e das instituições moldados por sua classe, estão alinhados com estes fundamentos e não pretendem transformar a sociedade", diz ele, acrescentando que "agremiações de esquerda", por outro lado, "se não têm projeto de poder, fenecem ou se adaptam à hegemonia das velhas classes dominantes, domesticando-se".

Para Altman, "esse é o risco que ronda o PT". O colunista destaca a diferença entre projeto de governo e plano de poder: "O PT tem e sempre teve projeto de governo, o que é outra coisa: um compromisso de melhorar profundamente as condições de vida e trabalho dos mais pobres, dos trabalhadores, defendendo a democracia e respeitando a Constituição. Como qualquer força política que se preze, não quer deixar de ser governo. Mas isso é muito diferente de ter um projeto de poder".

Leia aqui a íntegra do texto.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247