Antes de aderir ao golpe, Temer foi profeta e previu crise institucional

No dia 30 de março de 2015, o então vice-presidente Michel Temer fez a seguinte postagem em seu Twitter: “O impeachment é impensável, geraria uma crise institucional. Não tem base jurídica e nem política"; nesta quarta-feira, a crise institucional está estampada na manchete do Valor, da Globo, que foi a principal força propulsora do golpe de 2016; desde o impechment sem base jurídica, nas palavras de Temer, o Brasil virou terra sem lei e o resultado é uma república bananeira ridicularizada no mundo, onde não se sabe o que é pior: um chefe do Legislativo afastado por liminar ou uma mesa do Senado que descumpre ordem judicial; Temer tinha razão: o golpe afundou o País

No dia 30 de março de 2015, o então vice-presidente Michel Temer fez a seguinte postagem em seu Twitter: “O impeachment é impensável, geraria uma crise institucional. Não tem base jurídica e nem política"; nesta quarta-feira, a crise institucional está estampada na manchete do Valor, da Globo, que foi a principal força propulsora do golpe de 2016; desde o impechment sem base jurídica, nas palavras de Temer, o Brasil virou terra sem lei e o resultado é uma república bananeira ridicularizada no mundo, onde não se sabe o que é pior: um chefe do Legislativo afastado por liminar ou uma mesa do Senado que descumpre ordem judicial; Temer tinha razão: o golpe afundou o País
No dia 30 de março de 2015, o então vice-presidente Michel Temer fez a seguinte postagem em seu Twitter: “O impeachment é impensável, geraria uma crise institucional. Não tem base jurídica e nem política"; nesta quarta-feira, a crise institucional está estampada na manchete do Valor, da Globo, que foi a principal força propulsora do golpe de 2016; desde o impechment sem base jurídica, nas palavras de Temer, o Brasil virou terra sem lei e o resultado é uma república bananeira ridicularizada no mundo, onde não se sabe o que é pior: um chefe do Legislativo afastado por liminar ou uma mesa do Senado que descumpre ordem judicial; Temer tinha razão: o golpe afundou o País (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – No dia 30 de março de 2015, o então vice-presidente Michel Temer fez a seguinte postagem em seu Twitter: “O impeachment é impensável, geraria uma crise institucional. Não tem base jurídica e nem política".

Naquele momento, Temer ainda resistia a aderir ao golpe que vinha sendo articulado pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), que não se conformou com a derrota na disputa presidencial de 2014, e pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que tentava se blindar da Lava Jato, com aval do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Naquele momento, Temer conseguiu ter razão, ao profetizar a crise institucional que seria provocada pelo impeachment sem base jurídica – ou seja, golpe.

Como a lei deixou de valer para Dilma Rousseff, hoje já não vale mais para ninguém (leia mais aqui).

Ontem, depois de ser afastado por uma liminar, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) se recusou a cumprir a ordem judicial.

Nesse embate entre Legislativo e Judiciário, o jornal Valor, do grupo Globo, principal articulador do golpe, estampou hoje em sua manchete: "Caso Renan abre crise institucional".

Desde o impechment sem base jurídica, nas palavras de Temer, o Brasil virou uma terra sem lei e o resultado é uma república bananeira ridicularizada no mundo, onde não se sabe o que é pior: um chefe do Legislativo afastado por liminar ou uma mesa do Senado que descumpre ordem judicial.

Abaixo, entrevista da presidente Dilma Rousseff, em que esse caos é abordado:

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247