Apontado como chefe de máfia, Temer chama Janot de irresponsável

Em nota divulgada há pouco, o Palácio do Planalto afirmou que a nova denúncia da Procuradoria Geral da República contra Michel Temer está "recheada de absurdos"; para o Planalto, o procurador-geral, Rodrigo Janot, "continua sua marcha irresponsável"; Janot denunciou Temer novamente ao Supremo Tribunal Federal, desta vez pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça; Temer é apontado como "chefe de uma máfia" no esquema que envolve praticamente todo o alto escalão do PMDB

Em nota divulgada há pouco, o Palácio do Planalto afirmou que a nova denúncia da Procuradoria Geral da República contra Michel Temer está "recheada de absurdos"; para o Planalto, o procurador-geral, Rodrigo Janot, "continua sua marcha irresponsável"; Janot denunciou Temer novamente ao Supremo Tribunal Federal, desta vez pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça; Temer é apontado como "chefe de uma máfia" no esquema que envolve praticamente todo o alto escalão do PMDB
Em nota divulgada há pouco, o Palácio do Planalto afirmou que a nova denúncia da Procuradoria Geral da República contra Michel Temer está "recheada de absurdos"; para o Planalto, o procurador-geral, Rodrigo Janot, "continua sua marcha irresponsável"; Janot denunciou Temer novamente ao Supremo Tribunal Federal, desta vez pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça; Temer é apontado como "chefe de uma máfia" no esquema que envolve praticamente todo o alto escalão do PMDB (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em nota divulgada há pouco, o Palácio do Planalto afirmou que a nova denúncia da Procuradoria Geral da República contra Michel Temer está "recheada de absurdos". Para o Planalto, o procurador-geral, Rodrigo Janot, "continua sua marcha irresponsável". Janot denunciou Temer novamente ao Supremo Tribunal Federal, desta vez pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça.

Além de Temer, apontado como "chefe de uma máfia", foram denunciados por organização criminosa os ministros do PMDB Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral); os ex-ministros do PMDB Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Henrique Eduardo Alves (Turismo); o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ); e o ex-assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Assim como Temer, também foram denunciados por obstrução de Justiça os executivos do grupo J&F Joesley Batista e Ricardo Saud, cujos acordos de delação foram rescindidos pela PGR. Segue a íntegra da nota de Temer.

Nota à imprensa

O procurador-geral da República continua sua marcha irresponsável para encobrir suas próprias falhas. Ignora deliberadamente as graves suspeitas que fragilizam as delações sobre as quais se baseou para formular a segunda denúncia contra o presidente da República, Michel Temer. Finge não ver os problemas de falta de credibilidade de testemunhas, a ausência de nexo entre as narrativas e as incoerências produzidas pela própria investigação, apressada e açodada.

Ao fazer esse movimento, tenta criar fatos para encobrir a necessidade urgente de investigação sobre pessoas que integraram sua equipe e em relação às quais há indícios consistentes de terem direcionado delações e, portanto, as investigações. Ao não cumprir com obrigações mínimas de cuidado e zelo em seu trabalho, por incompetência ou incúria, coloca em risco o instituto da delação premiada. Ao aceitar depoimentos falsos e mentirosos, instituiu a delação fraudada. Nela, o crime compensa. Embustes, ardis e falcatruas passaram a ser a regra para que se roube a tranquilidade institucional do país.

A segunda denúncia é recheada de absurdos. Fala de pagamentos em contas no exterior ao presidente sem demonstrar a existência de conta do presidente em outro país. Transforma contribuição lícita de campanha em ilícita, mistura fatos e confunde para tentar ganhar ares de verdade. É realismo fantástico em estado puro.

O presidente tem certeza de que, ao final de todo esse processo, prevalecerá a verdade e, não mais, versões, fantasias e ilações. O governo poderá então se dedicar ainda mais a enfrentar os problemas reais do Brasil.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247