Bolsonaro deve nomear mais um militar para o governo, desta vez na Apex

Presidente Jair Bolsonaro deve nomear o contra-almirante Sergio Ricardo Segovia Barbosa para comandar a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex); cargo está vago há cerca de duas semanas, após o embaixador Mario Vilalva ter sido demitido pelo ministro das relações Exterior, Ernesto Araújo, na segunda demissão na cúpula da Apex em pouco mais de cem dias do governo Bolsonaro

Bolsonaro deve nomear mais um militar para o governo, desta vez na Apex
Bolsonaro deve nomear mais um militar para o governo, desta vez na Apex (Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente Jair Bolsonaro deve nomear o contra-almirante Sergio Ricardo Segovia Barbosa para comandar a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). O cargo está vago há cerca de duas semanas, após o embaixador Mario Vilalva ter sido demitido pelo ministro das relações Exterior, Ernesto Araújo. A saída de Vilalva marcou a segunda demissão na cúpula da Apex em pouco mais de cem dias do governo Bolsonaro.

A indicação do militar para a presidência da Apex visa conter a crise na cúpula da agência que vem sendo registrada desde o início do atual governo. O primeiro presidente da Apex na atual gestão, Alecxandro Carreiro, ficou menos de dez dias no cargo.

Ele deixou a agência após desentendimentos com a diretora de Negócios, Letícia Catelani, e o diretor de Gestão Corporativo, Márcio Coimbra. Catelani e Coimbra, que foram indicados por Araújo, também motivaram a saída de Vilalva. (Leia no Brasil 247)

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247