Celso de Mello: Brasil vive expectativa de respeito à Constituição

O ministro Celso de Mello, disse, durante sessão plenária do STF, que o Brasil vive na expectativa de que a Constituição será respeitada como lei máxima da República; “O Brasil, situando-se entre seu passado e seu futuro, vive a expectativa de que a Constituição – manto protetor e intangível do corpo social, das instituições do estado e dos grupos vulneráveis – será respeitada efetivamente”, destacou o ministro

Celso de Mello: Brasil vive expectativa de respeito à Constituição
Celso de Mello: Brasil vive expectativa de respeito à Constituição (Foto: STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Felipe Pontes, em Agência Brasil - O ministro Celso de Mello, o mais antigo do Supremo Tribunal Federal (STF), disse hoje (31) que o Brasil vive na expectativa de que a Constituição será respeitada como lei máxima da República.

“O Brasil, situando-se entre seu passado e seu futuro, vive a expectativa de que a Constituição – manto protetor e intangível do corpo social, das instituições do estado e dos grupos vulneráveis – será respeitada efetivamente como a suprema lei da República”, disse o decano.

A declaração foi feita durante a sessão plenária do STF, que foi aberta por Celso de Mello com um elogio ao trabalho da ministra Rosa Weber no comando do processo eleitoral, na condição de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“Desejo expressar no plenário desta Suprema Corte, por ser verdadeiramente justo, o reconhecimento devido à eminente ministra Rosa Weber por sua atuação firme, competente, digna e serena ao longo de todo o processo eleitoral, que dirigiu com espírito altamente democrático, notadamente em um momento sensível e delicado”, disse o ministro.

Em seguida, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, disse que o discurso do decano “expressa com certeza o posicionamento desta presidência e dos eminentes colegas”.

Presente na sessão, Rosa Weber agradeceu as palavras de Celso de Mello e transferiu os elogios aos magistrados e servidores da Justiça Eleitoral, por terem realizado um pleito “com a mais absoluta normalidade e transparência”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247