Ciro diz que teve "imensa vontade de rir" ao ler carta de Temer

Defensor ferrenho da governabilidade da presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro Ciro Gomes voltou a cutucar Michel Temer, hoje em Porto Alegre, e revelou que teve "imensa vontade de rir" ao ler carta escrita pelo vice-presidente para reclamar falta de apoio ao PMDB; "Aquilo foi de uma miudice (sic) sem precedentes e um ato de absoluto desrespeito levando em conta a gravidade da crise que o País está vivendo"; Ciro reforçou que não existem argumentos para o impeachment; "Impeachment não é remédio para governo que a gente não gosta"

Defensor ferrenho da governabilidade da presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro Ciro Gomes voltou a cutucar Michel Temer, hoje em Porto Alegre, e revelou que teve "imensa vontade de rir" ao ler carta escrita pelo vice-presidente para reclamar falta de apoio ao PMDB; "Aquilo foi de uma miudice (sic) sem precedentes e um ato de absoluto desrespeito levando em conta a gravidade da crise que o País está vivendo"; Ciro reforçou que não existem argumentos para o impeachment; "Impeachment não é remédio para governo que a gente não gosta"
Defensor ferrenho da governabilidade da presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro Ciro Gomes voltou a cutucar Michel Temer, hoje em Porto Alegre, e revelou que teve "imensa vontade de rir" ao ler carta escrita pelo vice-presidente para reclamar falta de apoio ao PMDB; "Aquilo foi de uma miudice (sic) sem precedentes e um ato de absoluto desrespeito levando em conta a gravidade da crise que o País está vivendo"; Ciro reforçou que não existem argumentos para o impeachment; "Impeachment não é remédio para governo que a gente não gosta" (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) tem sido defensor ferrenho da governabilidade da presidente Dilma Rousseff (PT) e sempre se posiciona contra o impeachment, criticando a ala peemedebista defensora do golpe. O alvo principal de Ciro tem sido o vice-presidente Michel Temer e o presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Neste sábado, Ciro esteve em Porto Alegre para a convenção estadual do PDT e não passou em branco. O ex-governador do Ceará criticou o Temer e disse que teve "vontade imensa de rir" ao ler a carta escrita pelo peemedebista. 

"Aquilo foi de uma miudice (sic) sem precedentes e um ato de absoluto desrespeito levando em conta a gravidade da crise que o País está vivendo". Ciro reforçou que não existem argumentos para o impeachment. "Impeachment não é remédio para governo que a gente não gosta".

Apesar da proximidade com a presidente (os dois jantaram juntos na quinta-feira), Ciro descarta qualquer atuação na articulação política dentro do Congresso ou governo. "Ela conta comigo para qualquer parada, mas dentro da militância do PDT", disse Ciro Gomes.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email