Cunha muda norma por sua defesa na Lava Jato

Ato da Mesa Diretora da Câmara agora permite o compartilhamento de senhas, antes pessoais e intransferíveis, para acesso ao sistema de computadores da Casa; a mudança se encaixa na defesa do presidente da Câmara, que nega ter sido ele o autor de requerimentos de informação sobre contratos da Petrobras para pressionar a empresa Mitsui a retomar pagamento de propina ao PMDB; alega que sua senha foi emprestada a outro parlamentar e que isso é corriqueiro

Ato da Mesa Diretora da Câmara agora permite o compartilhamento de senhas, antes pessoais e intransferíveis, para acesso ao sistema de computadores da Casa; a mudança se encaixa na defesa do presidente da Câmara, que nega ter sido ele o autor de requerimentos de informação sobre contratos da Petrobras para pressionar a empresa Mitsui a retomar pagamento de propina ao PMDB; alega que sua senha foi emprestada a outro parlamentar e que isso é corriqueiro
Ato da Mesa Diretora da Câmara agora permite o compartilhamento de senhas, antes pessoais e intransferíveis, para acesso ao sistema de computadores da Casa; a mudança se encaixa na defesa do presidente da Câmara, que nega ter sido ele o autor de requerimentos de informação sobre contratos da Petrobras para pressionar a empresa Mitsui a retomar pagamento de propina ao PMDB; alega que sua senha foi emprestada a outro parlamentar e que isso é corriqueiro (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Suspeito de ser o autor de requerimentos usados em 2011 para achacar fornecedores da Petrobras, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), promove mudança nas regras internas da Casa para reforçar sua defesa nas investigações do esquema de corrupção descoberto pela Operação Lava Jato.

Em reunião na quarta-feira (6), ele autorizou deputados a delegar a assessores o uso de suas senhas privativas para acesso ao sistema digital da Casa. Aprovadas pela Mesa Diretora, as normas alteradas têm ligação direta com argumentos do peemedebista para negar relação com os requerimentos suspeitos.

Segundo delação do doleiro Alberto Youssef, Eduardo Cunha foi o responsável por dois requerimentos de informação sobre contratos da Petrobras para pressionar a empresa Mitsui a retomar pagamento de propina ao PMDB.

Cunha defendeu-se dizendo que a autoria dos requerimentos era da então deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), que teria usado sua senha no sistema da Câmara, senha essa impessoal e intransferível. Apesar de ser correligionário da ex-deputada, o presidente da Câmara negou, inclusive em depoimento à CPI da Petrobras, ter relação com os requerimentos.

Em reportagem do dia 28 de abril, porém, o jornal Folha dês. Paulo revelou que o nome "dep. Eduardo Cunha" aparece nos registros eletrônicos da Câmara como o autor dos papéis.

Depois disso, o deputado demitiu o chefe do setor de informática da Câmara, Luiz Antonio Souza da Eira, e afirmou que a então deputada pode ter usado assessores seus na elaboração dos requerimentos, pois era suplente com poucos meses de mandato e não contaria com assessoria técnica adequada.

O Ato da Mesa da Câmara 25/2015, baixado nesta quarta, diz que o sistema deverá identificar os atos praticados pelo servidor que receber delegação do deputado. E que esse funcionário "responderá civil, criminal e administrativamente pelo uso indevido dos limites de delegação".

Cunha sustenta que o ato da Mesa foi baixado com o objetivo de definir responsabilidades sobre o uso das senhas pessoais dos congressistas. "Cada parlamentar fará [a delegação] segundo seu juízo de conveniência. Cada um estabelece o limite e, assim, pode ser responsabilizado pela delegação", afirmou o presidente da Câmara.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247