“Cunha recebeu propina para liberar FGTS”

Em um suposto acordo de delação premiada, o ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto teria confirmado os R$ 52 milhões de propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS para o projeto do Porto Maravilha; apadrinhado no cargo por Cunha, Cleto foi alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, em dezembro; se confirmado o acordo com a PGR, ele será o sétimo investigado da operação Lava Jato que acusa Cunha de envolvimento com corrupção

Em um suposto acordo de delação premiada, o ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto teria confirmado os R$ 52 milhões de propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS para o projeto do Porto Maravilha; apadrinhado no cargo por Cunha, Cleto foi alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, em dezembro; se confirmado o acordo com a PGR, ele será o sétimo investigado da operação Lava Jato que acusa Cunha de envolvimento com corrupção
Em um suposto acordo de delação premiada, o ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto teria confirmado os R$ 52 milhões de propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS para o projeto do Porto Maravilha; apadrinhado no cargo por Cunha, Cleto foi alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, em dezembro; se confirmado o acordo com a PGR, ele será o sétimo investigado da operação Lava Jato que acusa Cunha de envolvimento com corrupção (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em um suposto acordo de delação premiada, o ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto teria confirmado propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS.

Apadrinhado no cargo por Cunha, Cleto negocia acordo com a PGR (Procuradoria-Geral da República) depois de ter sido alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, em dezembro.

Ele seria o sétimo investigado da Operação Lava Jato que acusa Cunha de envolvimento com corrupção.

Segundo reportagem de Aguirre Talento e Marcio Falcão, Cleto confirmou que houve os pagamentos de propina a Cunha relatados pelos delatores da Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior.

Eles dizem que Cunha cobrou R$ 52 milhões de propina em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS para o projeto do Porto Maravilha, do qual a Carioca obteve a concessão em consórcio com as construtoras OAS e Odebrecht (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247