Cunha torce por impasse entre PMDB e Planalto

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quinta (24) esperar que não haja um acordo de seu partido com o governo na composição da nova equipe ministerial da presidente Dilma Rousseff; "A minha posição é deixar o governo, do ponto de vista da minha militância. Então, por mim, quanto melhor quanto mais não tiver acordo. O PMDB deveria discutir sua saída do governo e sair. Minha posição é muito clara e pública", afirmou

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quinta (24) esperar que não haja um acordo de seu partido com o governo na composição da nova equipe ministerial da presidente Dilma Rousseff; "A minha posição é deixar o governo, do ponto de vista da minha militância. Então, por mim, quanto melhor quanto mais não tiver acordo. O PMDB deveria discutir sua saída do governo e sair. Minha posição é muito clara e pública", afirmou
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quinta (24) esperar que não haja um acordo de seu partido com o governo na composição da nova equipe ministerial da presidente Dilma Rousseff; "A minha posição é deixar o governo, do ponto de vista da minha militância. Então, por mim, quanto melhor quanto mais não tiver acordo. O PMDB deveria discutir sua saída do governo e sair. Minha posição é muito clara e pública", afirmou (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quinta-feira (24) esperar que não haja um acordo de seu partido com o governo na composição da nova equipe ministerial da presidente Dilma Rousseff.

"A minha posição é deixar o governo, do ponto de vista da minha militância. Então, por mim, quanto melhor quanto mais não tiver acordo. O PMDB deveria discutir sua saída do governo e sair. Minha posição é muito clara e pública", afirmou.

Cunha rompeu publicamente com o governo no início de julho após ser denunciado na operação Lava Jato. Na segunda-feira (21), ele foi procurado pela presidente Dilma, que pediu indicações para a nova composição ministerial. Ele se negou a participar. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247