Dilma: “o lugar da América Latina é ao lado da China”

“O lugar da América Latina não é com os Estados Unidos", disse a ex-presidenta, durante o evento “Socialismo do século XXI: China e América Latina na linha de frente”

www.brasil247.com - Dilma Rousseff
Dilma Rousseff (Foto: Ricardo Stuckert)


Por Nathália Urban, 247 - A ex-presidenta Dilma foi convidada especial do seminário “Socialismo do século XXI: China e América Latina na linha de frente”. Dilma fez uma longa fala crítica aos Estados Unidos e sua rivalidade com a China, e abordou também como o continente fica posicionado nesse conflito das duas grandes potências.

O evento explorou a florescente relação de amizade e solidariedade entre a China Popular e a América Latina progressista. Diversos temas foram explorados, incluindo a história de amizade e solidariedade entre a China e a América Latina; o legado de Hugo Chávez ao encorajar uma nova era de internacionalismo socialista; a agressão dos EUA contra os movimentos populares – golpes de mudança de regime, guerra econômica, lawfare e desestabilização; o papel emergente da China como parceiro chave para a América Latina e o Caribe; a crescente atração da Iniciativa da Nova Rota da Seda na América Latina. 

Dilma apontou a importância de a América Latina buscar abandonar o modelo de comoditização “e a reindustrialização com novas características”, reiterando que a participação da AL na 4ªRevolução Industrial e Tecnológica não pode se resumir a consumidora dos produtos do capitalismo de plataformas (como ifoods, uber, Airbnb). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

América Latina para os latino-americanos

A presidenta Dilma também relembrou de maneira pontual as interferências estadunidenses nos governos do continente: “A chamada guerra híbrida desencadeada pelos EUA por meio dos golpes denominados de segunda geração, dos processos de lawfare e das sanções (Cuba e Venezuela) levaram a um grande retrocesso, devolvendo ao continente a desigualdade, a miséria e a fome que havia sido superadas ou estava prestes a superar”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dilma salientou a importância da integração entre os países da região, mencionando organizações como a CELAC e a Unasur como essenciais para a viabilização de projetos que promovam educação, crescimento econômico e autonomia política “o que se quer é a América Latina para os latino americanos”, para finalmente obter independência do modelo neoliberal imposto pelas elites locais que trabalham a serviço do imperialismo e que queremos independência e ter o poder de escolher quem serão nossos parceiros políticos e econômicos. Ela finalizou dizendo que “o lugar da América Latina não é com os Estados Unidos. O lugar da América Latina afirma a soberania, nosso lugar é a independência, ao lado da China”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email