‘É a luta de classes, seu estúpido!’

'Uma Ponte Para o Futuro', o eventual Plano de Reconstrução Nacional apresentado pelo vice-presidente Michel Temer, para assumir o Planalto caso se consolide o golpe contra a presidente Dilma, é ultraliberal, concentracionista e com conteúdo neoliberal, escreve o jornalista Renato Dias, em matéria especial para o 247; confira as principais propostas

'Uma Ponte Para o Futuro', o eventual Plano de Reconstrução Nacional apresentado pelo vice-presidente Michel Temer, para assumir o Planalto caso se consolide o golpe contra a presidente Dilma, é ultraliberal, concentracionista e com conteúdo neoliberal, escreve o jornalista Renato Dias, em matéria especial para o 247; confira as principais propostas
'Uma Ponte Para o Futuro', o eventual Plano de Reconstrução Nacional apresentado pelo vice-presidente Michel Temer, para assumir o Planalto caso se consolide o golpe contra a presidente Dilma, é ultraliberal, concentracionista e com conteúdo neoliberal, escreve o jornalista Renato Dias, em matéria especial para o 247; confira as principais propostas (Foto: Gisele Federicce)

Por Renato Dias, especial para o 247

'Uma Ponte Para o Futuro', o eventual Plano de Reconstrução Nacional apresentado pelo vice-presidente da República, Michel Temer [PMDB-SP], para assumir o Palácio do Planalto, caso se consolide o golpe institucional do impeachment da ex-guerrilheira da VAR-Palmares Dilma Vana Rousseff Linhares, é ultraliberal, concentracionista e com conteúdo neoliberal.

O pacote contém a proposta, a ser aprovada ainda no Congresso Nacional, de elevar a idade mínima de aposentadoria para 65 anos de idade, para os homens. Mais: de 60 anos, para as mulheres. Uma Reforma da Previdência que nem o príncipe dos sociólogos, Fernando Henri-que Cardoso [PSDB-SP], conseguiu aprová-la durante o seu reinado – 1995-1998 e 1999-2002.

Medidas liberais

Michel Temer, com a bênção do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha [PMDB-RJ], campeão em aparições nas Operações da Lava-Jato e do Panamá Papers, quer também liquidar com os porcentuais de despesas obrigatórias, como as destinadas às áreas de Saúde e de Educação. Assim como reduzir o número de impostos pagos pelos empresários.

- Para aumentar os ganhos de capital.

'O Plano Para o Futuro', elaborado por liberais ligados ao PMDB, PSDB, PPS e DEM, prevê a definição de concessões preferenciais para a Petrobras. A empresa está envolvida em grave escândalo de corrupção, investigada pela Operação Lava-Jato, Força-Tarefa do Ministério Público Federal, Polícia Federal, sob a coordenação do juiz federal de Curitiba, Sérgio Moro.

- Flexibilização das leis trabalhistas.

Sonho da Fiesp

É o sonho de consumo da Fiesp, que patrocinou tanto o golpe de Estado civil e militar de 1964, uma noite que durou 21 anos, como definem Camilo Tavares e Flávio Tavares, quanto a jornada de desestabilização do Brasil, em 2016, em conspiração que envolve os grandes conglomerados de comunicação, a fina flor do capital e até setores do Judiciário brasileiro.

As mudanças na legislação trabalhistas poderão ser o fim do décimo terceiro salário, das férias anuais, do fim de semana remunerado, do FGTS, redução da licença-maternidade, assim como o término da licença paternidade. As medidas defendidas pela Fiesp propõem ainda que as convenções coletivas prevaleçam sobre as normais legais. Com ataques aos direitos sociais.

Deus-Mercado

Caso suba a rampa do Palácio do Planalto, Michel Temer poderá estabelecer o fim das indexações para salários e benefícios previdenciários. Perdas reais para os trabalhadores urbanos e rurais. A estratégia do velho PMDB e aliados – Leia-se: Michel Temer, Eduardo Cunha, José Serra, Fernando Henrique Cardoso e Armínio Fraga – é a seguinte:

- Execução de políticas públicas de desenvolvimento centradas na iniciativa privada, no mercado, com privatizações aceleradas e ampliação do ritmo de concessões. A previsão é do fim do regime de partilha no setor de óleo e gás e a retomada do regime anterior, à época de Fernando Henrique Cardoso, ex-amante de Míriam Dutra, do sistema de concessões.

O cenário desenhado pelos economistas de linhagem neoliberal ungidos pelo Palácio do Jaburu, em caso de mudança do titular da presidência da República, cuja votação do pedido de impeachment está previsto ainda para o mês de abril de 2016, contempla a adoção de reformas liberais e o velho bordão neoliberal de redução do tamanho do Estado Nacional.

- Com cortes nos programas sociais focados nos excluídos.

Renato Dias, 48 anos, é jornalista graduado pela Alfa, sociólogo formado pela Universidade Federal de Goiás, especialista em Políticas Públicas na UFG, com curso em Gestão da Qualidade Total [Fieg/Sebrae/CNI] e mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás [PUC-GO]. É autor de livros sobre a ditadura civil e militar [1964-1985], luta armada e socialismos. É repórter especial do Diário da Manhã.

Veja o que é a agenda de Michel Temer para 'eventual' pós-Dilma

X Elevação da idade mínima de aposentadoria para 65 anos de idade, para os homens, e de 60 anos, para as mulheres.
X Reformas liberais.
X Adoção do velho bordão neoliberal de redução do tamanho do Estado Nacional.
X Cortes nos programas sociais focados nos excluídos. O Bolsa Família seria um deles.
X Estabelecimento do fim dos porcentuais de despesas obrigatórias, como as destinadas às áreas de Saúde e de Educação.
X Redução do número de impostos pagos pelos empresários Para aumentar os ganhos de capital.
X Flexibilização das leis trabalhistas.
X A definição de concessões preferenciais para a Petrobras.
X As mudanças na legislação trabalhistas poderão ser:
- O fim do décimo terceiro salário.
-Acabar com as férias anuais
- Sem fim de semana remunerado
X Acabar com o FGTS.
X redução do tempo da licença-maternidade.
X Fim da licença paternidade.
X As medidas defendidas pela Fiesp propõem que as convenções coletivas prevaleçam sobre as normais legais. Com ataques aos direitos sociais.
X Fim das indexações para salários e benefícios previdenciários.

Fonte – Revista Exame


A República em números

1954
Suicídio de Getúlio Vargas

1955
Tentativa de impedir posse de JK

1961
Renúncia de Jânio Quadros e sublevação contra Jango

1964
Golpe de Estado civil e militar

1968
Decretação do AI-5

1977
Pacote de Abril

1984
Derrota das diretas já

1985
Instalação da Nova República

1992
Impeachment de Fernando Collor

2002
Eleição de Luiz Inácio Lula da Silva

2006
Crise do Mensalão e reeleição de Lula

2010
PIB cresce 7,5% e eleição de Dilma Rousseff

2014
Reeleição de Dilma Rousseff e início da crise

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247