Em nova petição sobre a Lava Jato, defesa de Lula aponta ocultação de provas e parceria entre MP e Gabriela Hardt

Advogados revelam novos fatos gravíssimos com base em conversas obtidas pela Operação Spoofing, entre eles a ocultação de provas da inocência do ex-presidente, inclusive com adulteração de termo de depoimento, escolha de alvos nas instâncias superiores, combinação entre MP e juíza e também para entregar provas e obter recursos

Advogado Cristiano Zanin Martins, ex-presidente Lula, juíza Gabriela Hardt e o procurador Deltan Dallagnol
Advogado Cristiano Zanin Martins, ex-presidente Lula, juíza Gabriela Hardt e o procurador Deltan Dallagnol (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | Reprodução | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em petição apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva alertou para a necessidade de diligências do Judiciário contra as condutas ilegais da Operação Lava Jato, após um novo pacote de mensagens apontar que a procuradora Carolina Rezende citou o petista como o principal alvo da Operação Lava Jato ao escrever "precisamos atingir Lula na cabeça (prioridade número 1)". Ela integrava a equipe do então procurador-geral da República Rodrigo Janot em 2016, quando ocorreu a troca de mensagens.

A defesa também citou uma parceria entre a juíza Gabriela Hardt e o Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR), uma postura da magistrada e de procuradores que fere a equidistância entre quem julga e quem acusa. 

"De fato, em 19.12.2018 o procurador da República DELTAN DALLAGNOL informou aos demais procuradores da 'Lava Jato' que havia combinado com 'Gabriela' a criação de uma 'planilha google' na qual seriam colocadas as prioridades do órgão acusador – com a classificação de prioridade 1, 2 ou 3, dentre outras coisas", destacou a petição.

Em 19 de dezembro de 2018, após Sérgio Moro aceitar o cargo de ministro da Justiça, o procurador Deltan Dallagnol disse em um chat para os colegas de MPF: "Gente, importante: 1) Gabriela não sabe o que é prioridade. Há 500 processos com despacho pendentes e não sabe o que olhar. Combinei de criarmos uma planilha google e colocarmos o que é prioridade pra gente". 

Na petição, a defesa de Lula afirmou que o novo pacote de mensagens reforçou "o contexto de caçada judicial" contra o petista "com o aval da Procuradoria-Geral da República em sua antiga gestão". 

O documento destacou, como fatos graves, a "ocultação de provas de inocência em favor do Reclamante" e a "prática de diversos atos combinados para criar um ambiente artificial de culpabilidade" contra o ex-presidente.  "Na primeira instância, os procuradores da 'Lava Jato' tramavam acordos de delação a toque de caixa com o objetivo de impor condenações injustas ao Reclamante".

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email