Escândalo sexual complica denúncia contra Arruda

nico governador a ser preso na histria do Pas, Jos Roberto Arruda aguarda h mais de dois anos a apresentao de uma denncia judicial; se for verdadeira a informao de que as fitas do caso foram contaminadas pela disputa poltica, ela ter que ser muito consistente para no vitimiz-lo

Escândalo sexual complica denúncia contra Arruda
Escândalo sexual complica denúncia contra Arruda (Foto: Divulgação_Nelson Jr./STF)

247 – Durante todo o fim de semana, só se falou de um assunto nas rodas políticas de Brasília: a reportagem de capa de Veja, que revela que a lobista Cristiana Araújo, funcionária do policial convertido em chantagista Durval Barbosa, manteve relações próximas e perigosas demais com dois figurões do PT: José Antônio Dias Toffoli, ex-advogado-geral da União e ministro do Supremo Tribunal Federal, e Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República. De acordo com a reportagem, Cristina tinha um caso extraconjugal com Toffoli e levou a ele as fitas gravadas por Durval Barbosa – entre elas, a cena em que Arruda aparece recebendo R$ 50 mil. A partir desta e de outras fitas, a Polícia Federal montou a Operação Caixa de Pandora, que fez com que Arruda passasse uma temporada na Papuda, maior presídio do Distrito Federal, e ajudou a cunhar a expressão “mensalão do DEM”. Arruda, que tinha aprovação próxima a 80%, perdeu o mandato e seu vice, Paulo Octavio, também renunciou. Passados quase dois anos e meio, o Ministério Público do Distrito Federal ainda não apresentou sequer uma denúncia sobre o caso.

A dificuldade reside no seguinte fato: a fita em que Arruda aparece recebendo R$ 50 mil é de 2006, anterior à sua posse como governador, que se deu em janeiro de 2007. Durval exerceu o poder, de fato, nos dois governos de Joaquim Roriz, como presidente da Codeplan, onde cuidava dos contratos de R$ 500 milhões/ano com as empresas de informática. E os procuradores precisam sustentar a tese de que Arruda e Durval comandavam, juntos, um mesmo esquema de corrupção, que desviava recursos do Distrito Federal e alimentava o chamado mensalão do DEM – cujas fitas, ao que tudo indica, também são anteriores à posse de Arruda. Para colocar ainda mais lenha na fogueira, sabe-se agora que Cristiana Araújo pediu a Gilberto Carvalho que indicasse como chefe do MP-DF uma pessoa de sua confiança, o procurador Leonardo Bandarra.

Há meses, aguarda-se, em Brasília, a publicação da denúncia do Ministério Público. Seu eixo central será a descrição de um esquema criado no governo Roriz e mantido por Arruda, que teria desviado cerca de R$ 700 milhões. Mas com a contaminação política em torno do caso, que deixa explícito o envolvimento de um advogado petista que se tornou advogado-geral da União e depois ministro do Supremo Tribunal Federal, a denúncia terá que ser muito consistente para que Arruda não comece a se sentir à vontade para posar de vítima de uma conspiração política. Depois do furacão Cristiana, o MP-DF vive um dilema. Se apresentar uma denúncia frágil, que não gere uma condenação, deixará no ar a suspeita de também ter participado de uma trama. E com as revelações que surgem a cada semana, também não pode adiar indefinidamente a conclusão do seu trabalho.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247