Estratégia do governo é não ceder a Cunha

Líder da bancada do PMDB na Câmara, deputado tem enfatizado que é preciso "repensar" a aliança entre seu partido e o PT, além de ter protagonizado, junto com o presidente do PT, Rui Falcão, troca de farpas e até xingamentos; no Planalto, leitura é que a crise tem prazo para acabar: as convenções oficias de junho, quando serão acertados os palanques estaduais; e por isso vale a pena enfrentar Cunha; orientação é "Ou nós (governo) ou ele (Cunha)"; levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que um terço dos deputados do PMDB quer romper com o PT

Líder da bancada do PMDB na Câmara, deputado tem enfatizado que é preciso "repensar" a aliança entre seu partido e o PT, além de ter protagonizado, junto com o presidente do PT, Rui Falcão, troca de farpas e até xingamentos; no Planalto, leitura é que a crise tem prazo para acabar: as convenções oficias de junho, quando serão acertados os palanques estaduais; e por isso vale a pena enfrentar Cunha; orientação é "Ou nós (governo) ou ele (Cunha)"; levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que um terço dos deputados do PMDB quer romper com o PT
Líder da bancada do PMDB na Câmara, deputado tem enfatizado que é preciso "repensar" a aliança entre seu partido e o PT, além de ter protagonizado, junto com o presidente do PT, Rui Falcão, troca de farpas e até xingamentos; no Planalto, leitura é que a crise tem prazo para acabar: as convenções oficias de junho, quando serão acertados os palanques estaduais; e por isso vale a pena enfrentar Cunha; orientação é "Ou nós (governo) ou ele (Cunha)"; levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que um terço dos deputados do PMDB quer romper com o PT (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A estratégia do governo federal em meio à crise com o PMDB é não ceder ao protagonista do incêndio, o líder da bancada na Câmara, Eduardo Cunha. O lema, de acordo com um ministro, será: "Ou nós (governo) ou ele (Cunha)". O deputado tem ressaltado a importância de se "repensar" a aliança e liderado um bloco de insatisfeitos no partido, além de ter trocado farpas com o presidente do PT, Rui Falcão.

A interpretação nos corredores do Planalto, segundo o colunista Ilimar Franco, do jornal O Globo, é que o conflito entre PT e PMDB tem data para a acabar: as convenções oficiais de junho, quando os palanques estaduais das eleições – um dos motivos do conflito – serão definidos. Por isso, não valeria a pena ceder ao parlamentar, mas sim enfrentá-lo.

Ainda segundo Ilimar Franco, o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), tem sido aconselhado pela cúpula a se adiantar aos insatisfeitos e adiantar a convenção nacional do partido para abril – a sugestão havia sido feita por Eduardo Cunha. Assim, terá como negociar a pauta, evitando que haja nela o rompimento com o governo federal.

De acordo com levantamento realizado pelo jornal O Estado de S. Paulo, um terço dos deputados do PMDB quer romper com o PT. "O Estado ouviu 54 dos 74 deputados do PMDB em atividade - um está de licença médica. A opção pela ruptura imediata foi de 23 parlamentares. Outros 25 deputados disseram ser a favor da aliança, embora haja nesse grupo peemedebistas críticos à condução política do governo", diz reportagem.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email