Fachin libera voto sobre impeachment

Ministro Edson Fachin, do STF, entregou aos demais ministros da Corte uma prévia do voto que vai proferir no julgamento sobre a validade das regras do processo de impeachment da presidente Dilma; Fachin é relator da ação na qual o PCdoB questiona a validade da lei que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment, e alguns artigos do Regimento Interno da Câmara dos Deputados; o ministro disse que vai propor nesta quarta-feira o rito que deverá ser seguido pelo Congresso

Ministro Edson Fachin, do STF, entregou aos demais ministros da Corte uma prévia do voto que vai proferir no julgamento sobre a validade das regras do processo de impeachment da presidente Dilma; Fachin é relator da ação na qual o PCdoB questiona a validade da lei que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment, e alguns artigos do Regimento Interno da Câmara dos Deputados; o ministro disse que vai propor nesta quarta-feira o rito que deverá ser seguido pelo Congresso
Ministro Edson Fachin, do STF, entregou aos demais ministros da Corte uma prévia do voto que vai proferir no julgamento sobre a validade das regras do processo de impeachment da presidente Dilma; Fachin é relator da ação na qual o PCdoB questiona a validade da lei que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment, e alguns artigos do Regimento Interno da Câmara dos Deputados; o ministro disse que vai propor nesta quarta-feira o rito que deverá ser seguido pelo Congresso (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter – Repórter da Agência Brasil

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), entregou aos demais ministros da Corte uma prévia do voto que vai proferir no julgamento desta quarta-feira (16) sobre a validade das regras do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Fachin é relator da ação na qual do PCdoB, partido da base aliada do governo, questiona a validade da Lei 1.079/50, que regulamentou as normas de processo e julgamento doimpeachment, e alguns artigos do Regimento Interno da Câmara dos Deputados.

Na semana passada, o ministro antecipou que adotaria a medida para facilitar o debate durante o julgamento. Antes da sessão das turmas do Supremo, Fachin entregou um envelope lacrado a cada ministro. O voto contém cerca de 100 páginas. O julgamento está marcado para as 14h de amanhã.

A sessão vai começar pela leitura do relatório da ação. Em seguida, será aberto prazo de 30 minutos para que PT, PSDB, DEM, PSOL e a União Nacional dos Estudantes (UNE) se manifestem sobre a ação. Os partidos e a UNE foram autorizados pelo ministro a se manifestar no processo. Após as manifestações, os ministros começam a votar.

Na quarta-feira (9), ao decidir suspender a tramitação do pedido de impeachment, Fachin disse que vai propor o rito que deverá ser seguido pelo Congresso Nacional. Segundo o ministro, seu voto permitirá que o processo possa continuar sem questionamentos sobre sua legalidade.

O pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi aceito, no início deste mês, pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Cunha aceitou o pedido protocolado pelos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaína Paschoal.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email