Fachin trabalha no recesso para conseguir julgar políticos ainda em 2017

Relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, o ministro Edson Fachin está acelerando os trabalhos para conseguir julgar políticos ainda em 2017; Fachin manteve o ritmo de trabalho em seu gabinete mesmo durante o recesso do Judiciário; a manobra tem o objetivo de tentar viabilizar julgamentos da operação; após quase três anos e meio das investigações que começaram em Curitiba e se espalharam por todo o País, essas serão as primeiras sentenças no Supremo de políticos com foro privilegiado acusados de envolvimento no esquema de desvios e corrupção na Petrobras

Edson Fachin 
Edson Fachin  (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O ministro Edson Fachin manteve os trabalhos em seu gabinete durante o recesso do Judiciário para tentar viabilizar julgamentos de ações penais da Lava Jato – operação da qual é relator no Supremo Tribunal Federal – neste ano.

Três processos estão em fase mais avançada e envolvem a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e os deputados federais Nelson Meurer (PP-PR) e Aníbal Gomes (PMDB-CE).

Após quase três anos e meio das investigações que começaram em Curitiba e se espalharam por todo o País, essas serão as primeiras sentenças no Supremo de políticos com foro privilegiado acusados de envolvimento no esquema de desvios e corrupção na Petrobrás.

Durante este mês, os três juízes auxiliares do ministro-relator se revezaram para tomar depoimentos de testemunhas. A perspectiva é concluir as audiências desses processos até o fim de agosto. O passo seguinte são os interrogatórios dos réus.

Conforme o regimento da Corte, após os réus serem ouvidos, a Procuradoria-Geral da República e a defesa terão cinco dias para pedir investigações complementares. Fachin, então, deverá decidir se as aceita ou não. Vencidas essas etapas, o relator pedirá que as partes – acusação e defesa – apresentem suas alegações em 15 dias. O ministro poderá ordenar novas diligências. Por fim, Fachin faz o relatório e encaminha ao ministro-revisor, Celso de Mello, que pedirá data para julgamento na Segunda Turma da Corte.

As informações são de reportagem de Breno Pires e Rafael Moraes Moura no Estado de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247