Filho que enriqueceu foi decisivo para ministro cair

Crescimento de 86.500% no patrimnio empresarial de Gustavo Nascimento foi decisivo para queda do pai Alfredo; secretrio-executivo Paulo Passos confirmado como interino

Rodolfo Borges_247, de Brasília – Alfredo Nascimento não suportou nem uma semana. As denúncias de corrupção no Ministério dos Transportes levaram o senador a pedir demissão em caráter irrevogável nesta quarta-feira. Nascimento não sobreviveu à notícia de que seu filho aumentou o próprio patrimônio em 86.500% em apenas dois anos, publicada pelo jornal O Globo. O ex-ministro já estava na mira de Dilma há semanas, devido ao crescimento no orçamento das obras sob responsabilidade do Ministério.

A bancada do PR foi chamada ao Palácio do Planalto no início da tarde para receber a notícia e deliberar sobre o substituto de Nascimento. O secretário-executivo do Ministério dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, foi confirmado como interino na noite desta quarta-feira, enquanto não for nomeado um substituto (o que não tem prazo para acontecer). Na nota de demissão, o ministério informa que “Alfredo Nascimento decidiu encaminhar requerimento à Procuradoria-Geral da República pedindo abertura de investigação e autorizando a quebra de sigilos bancário e fiscal.”

A mensagem destaca ainda que Nascimento reassumirá sua cadeira no Senado – no lugar do suplente e amigo do ex-presidente Lula João Pedro (PT-AM) – e a presidência do Partido da República (PR), o que não serve lá de consolo, porque mantém o ex-ministro na cena política e, portanto, como alvo. “O fato de ele deixar o Ministério e voltar para o Senado implica na necessidade dos esclarecimentos que ele vai prestar nesta Casa”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP), que foi um dos autores do requerimento de convocação do agora ex-ministro ao Senado.

Está em jogo também, portanto, o cargo de Nascimento como senador, principalmente depois da edição desta semana da revista IstoÉ. A revista adiantou a publicação de sua edição de fim de semana para esta quarta-feira e traz em sua capa a matéria “As negociatas do ministro Nascimento”. A IstoÉ exibe em sua página na internet um vídeo em que Alfredo Nascimento e Valdermar Costa Neto estariam trocando uma filiação partidária por R$ 1,5 milhão para obras em Imperatriz (MA).

A publicação mostra que depois que o deputado Davi Alves da Silva Júnior – protagonista do vídeo –, trocou o PDT pelo PR, conseguiu a liberação de outros R$ 340 milhões do Ministério dos Transportes. A revista destaca também a participação de Valdemar Costa Neto nas decisões do Ministério dos Transportes e classifica-o como "ministro de fato" da Pasta. Líder do PR no Senado, Magno Malta foi ao Plenário para dizer que os inocentes têm o direito da defesa.

“O desejo dele (Nascimento) é vir a essa casa para retomar o seu mandato e defender a sua honra”, disse Malta. “Quero ressaltar a atitude da oposição, que agiu certo. Temos de apoiar a atitude da oposição em procurar o Ministério Público Federal”, continuou. “Vim agora do Palácio e quero dizer que não há nenhum especulação a respeito de nome”, completou Malta, dizendo que o PR aguarda o governo para mais uma vez discutir a posição “de um partido que é a base desde o governo Lula” e que não pretende discutir a substituição de forma atabalhoada.

O líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), disse que Dilma ganhou uma oportunidade de “acabar com esse modelo de promiscuidade”, referindo-se ao loteamento de cargos no governo. O Ministério dos Transportes é reservado ao Partido da República (PR), de Nascimento. Dias classificou como “falta” a demora de Dilma para afastar seu ministro. “Dilma chega um pouco atrasada. E quando o jogador chega atrasado, é falta”, comparou o senador, aludindo ao futebol.


Ao vivo na TV 247 Youtube 247