Fux: eleição contaminada por fake news pode ser anulada

Declaração foi feita no dia 21 de junho pelo então presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux, e mostra que a possibilidade de anulação da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) após a revelação de que sua campanha foi beneficiada por sistema de disseminação em massa de notícias falsas contra o candidato Fernando Haddad (PT) é concreta; "O artigo 222 do Código Eleitoral prevê que se o resultado de uma eleição qualquer for fruto de uma 'fake news' difundida de forma massiva e influente no resultado, o artigo 222 prevê inclusive a anulação", disse Fux na ocasião

Fux: eleição contaminada por fake news pode ser anulada
Fux: eleição contaminada por fake news pode ser anulada
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A possibilidade de anulação da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) após a revelação de que sua campanha foi beneficiada por sistema de disseminação em massa de notícias falsas contra o candidato Fernando Haddad (PT) é concreta e já foi alertada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Durante evento com representantes da União Europeia, no dia 21 de junho deste ano, o então presidente do TSE, Luiz Fux, foi enfático ao dizer que a Justiça Eleitoral poderá eventualmente anular o resultado de uma eleição se esse resultado for decorrência da difusão massiva de "fake news", as notícias falsas.

"Temos uma tutela penal enérgica que pode anular candidatura que obteve êxito com base em 'fake news'. Tem uma regra geral no artigo 323 do Código Eleitoral. E nós temos também a tutela no campo eleitoral, que impõe multas, impõe direito de resposta e impõe também eventualmente até anulação daquela eleição se ela foi fruto de uma massificação de 'fake news', com base no artigo 222 do Código Eleitoral", disse o ministro no evento.

PUBLICIDADE

O artigo 323 do Código Eleitoral considera crime eleitoral o ato de alguém "divulgar, na propaganda, fatos que sabe inverídicos, em relação a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influência perante o eleitorado". A pena é de detenção de até um ano, além de multa.

"O artigo 222 do Código Eleitoral prevê que se o resultado de uma eleição qualquer for fruto de uma 'fake news' difundida de forma massiva e influente no resultado, o artigo 222 prevê inclusive a anulação. É claro que isso demanda um acervo probatório, uma cognição, conhecimento profundo daquilo que foi praticado. Mas a lei prevê esse tipo de sanção", afirmou o ministro Luis Fux.

PUBLICIDADE

O artigo 222 do Código Eleitoral prevê que "é também anulável a votação, quando viciada de falsidade, fraude, coação, uso de meios de que trata o art. 237, ou emprego de processo de propaganda ou captação de sufrágios vedado por lei". O artigo 237, por sua vez, diz que serão coibidos e punidos "a interferência do poder econômico e o desvio ou abuso do poder de autoridade, em desfavor da liberdade do voto".

Assista à declaração do ministro Luiz Fux:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email