General Heleno nega que militares pensem em golpe ou intervenção

“Os militares não vão dar golpe. Isso não passa na cabeça dessa nossa geração, que foi formada por aquela geração que viveu todos aqueles fatos, como estar contra o governo, fazer uma contrarrevolução em 1964”, disse o ministro do GSI, general Augusto Heleno

General Augusto Heleno
General Augusto Heleno (Foto: Marcos Correa)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, disse que os militares não irão apoiar tentativas de golpe, de intervenção militar ou a implantação de uma ditadura no Brasil. 

“Os militares não vão dar golpe. Isso não passa na cabeça dessa nossa geração, que foi formada por aquela geração que viveu todos aqueles fatos, como estar contra o governo, fazer uma contrarrevolução em 1964”, disse Heleno nesta quinta-feira (21) em uma live transmitida pelo site Personalidades em Foco.  

Ainda segundo Heleno, “não passa [pela cabeça] ditadura, intervenções, isso são provocações feitas por alguns indivíduos que não têm coragem de dizer quais são suas ideologias, que ficam provocando os militares para ver se nós vamos reagir”.

As declarações do ministro do GSI foram feitas na esteira de duas notas expedidas pelo Ministério da Defesa reafirmando que as Forças Armadas estão compromissadas com a Constituição. As notas foram divulgadas após Jair Bolsonaro participar de atos promovidos por apoiadores pediam intervenção militar, além do fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Durante a transmissão, Heleno também criticou a imprensa. “Na hora de apresentar os fatos, a gente percebe. É uma total contaminação dessa parte da imprensa. Só pode ser para derrubar o presidente da República. Não tem outra explicação”, disse.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247