Gleisi: Bolsonaro e Moro são “irresponsáveis” e aumentarão violência

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, criticou o decreto de Jair Bolsonaro que libera a posse de armas e implanta o faroeste no Brasil; "Bolsonaro e Moro são irresponsáveis. Para posse de armas agora basta dizer q tem cofre em casa, não precisa mais autorização da PF, amplia a posse para 10 anos e pode ter até 4 armas por pessoa. Tudo sem debate com a sociedade ou especialistas. Sobrará mais violência!", diz Gleisi; "Ele quer armar a população que é contra armas", afirma a dirigente petista; assim como o PSOL, o PT apresentará projeto de Decreto Legislativo para sustar o decreto no Congresso

Gleisi: Bolsonaro e Moro são “irresponsáveis” e aumentarão violência
Gleisi: Bolsonaro e Moro são “irresponsáveis” e aumentarão violência
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, criticou o decreto do presidente Jair Bolsonaro que regulamenta o registro, a posse e a comercialização de armas de fogo no país.

Gleisi classificou Bolsonaro e o ministro da Justiça, Sérgio Moro, como "irresponsáveis" e disse que a medida, que libera quatro armas para cada pessoa irá aumentar a violência no País.

"Bolsonaro e Moro são irresponsáveis. Para posse de armas agora basta dizer q tem cofre em casa, não precisa mais autorização da PF, amplia a posse para 10 anos e pode ter até 4 armas por pessoa. Tudo sem debate com a sociedade ou especialistas. Sobrará mais violência!", escreve a presidente do PT pelo Twitter.

Gleisi Hoffmann afirmou que o PT irá tentar barrar o decreto no Congresso. "Em acordo com 61% da população, que em pesquisa Data Folha de dezembro declarou ser contra a posse de armas, o PT apresentará proposta de Decreto Legislativo contra o ato de Bolsonaro. Ele quer armar a população que é contra armas", acrescentou a dirigente petista. 

O PSOL também anunciou que irá apresentar Decreto Legislativo contra a liberação da posse de armas feita por Bolsonaro (leia mais).

O limite de quatro armas poderá ser flexibilizado, caso o cidadão comprove a necessidade de adquirir mais, como, por exemplo, ser possuidor de mais de quatro propriedades rurais ou urbanas. O registro e a análise da documentação continuam sob responsabilidade da Polícia Federal, mas, segundo Bolsonaro, futuramente, de acordo com a demanda, poderá haver convênios com as polícias militares e civis para esse trabalho.

O prazo para a renovação do registro da arma de fogo passará de cinco anos para 10 anos. Os registros ativos, feitos antes da publicação do decreto, estão automaticamente renovados pelo mesmo período.

 

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247