Humilhado na Venezuela, Bolsonaro delira: 'Não tem derrota nenhuma'

Um dia depois de ser derrotado de maneira humilhante com a frustrada tentativa de golpe na Venezuela, Jair Bolsonaro tentou "vender" ao Brasil uma avaliação delirante: "Não tem derrota nenhuma. Eu até elogio"; apesar da avaliação delirante, Bolsonaro arquivou, ao menos momentaneamente, a retórica beligerante; ele afirmou na manhã desta quarta que a possibilidade de intervenção militar brasileira na Venezuela "é próxima de zero": "Não existe isso"

Humilhado na Venezuela, Bolsonaro delira: 'Não tem derrota nenhuma'
Humilhado na Venezuela, Bolsonaro delira: 'Não tem derrota nenhuma' (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um dia depois de ser derrotado de maneira humilhante com a frustrada tentativa de golpe na Venezuela, Jair Bolsonaro tentou "vender" ao Brasil uma avaliação delirante: "Não tem derrota nenhuma. Eu até elogio". Foi a segunda tentativa de golpe de Estado no país vizinho, sob a liderança do político de extrema-direita Juan Guaidó, com apoio de Tump, de Bolsonaro e do presidente colombiano Ivan Duque -a primeira, em fevereiro, quando houve uma tentativa de invasão do país sob a capa de "ajuda humanitária". O presidente brasileiro, apesar da avaliação delirante, arquivou, ao menos momentaneamente, a retórica beligerante; ele afirmou na manhã desta quarta (1) que a possibilidade de intervenção militar brasileira na Venezuela "é próxima de zero": "Não existe isso".

Bolsonaro reuniu-se na manhã desta quarta-feira com ministros e comandantes das Forças Armadas na sede do Ministério da Defesa, para discutir a posição do governo brasileiro sobre a Venezuela, tentando superar a divisão entre a visão intervencionista do bolsonarismo, sustentado por ele, seus filhos e pelo ministro das Relaçõs Exteriores, Ernesto Araújo, e a postura cautelosa da cúpula militar. Participaram da reunião Bolsonaro, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo,  Ernesto Araújo, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e os comandantes das Forças Armadas.

Á saída, Bolsonaro disse também que haveria uma "preocupação" do governo com o impacto da crise da Venezuela nos preços dos combustíveis. O país é um grande produtor de petróleo e sofre com sanções econômicas e embargos impostos pelo governo Trump: “Uma preocupação existe sim, com essa ação e com embargos, o preço do petróleo a princípio sobe. Temos que nos preparar, dada a política da Petrobras [de seguir os preços do mercado internacional] e de não intervenção de nossa parte [do governo], mas poderemos ter um problema sério dentro do Brasil como efeito colateral do que acontece lá”.

(Com informações da Agência Brasil)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247