Instabilidade na Câmara é péssima para o país, diz líder de Temer

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC), afirmou nesta quarta (28) que ele e outros líderes da base aliada têm pressa em resolver a "instabilidade" que se colocou na Casa após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Essa instabilidade, todos sabemos, é péssima para o país. O que nós queremos é um desfecho definitivo dessa situação. Não podemos, por exemplo, entrar o segundo semestre, tendo essa instabilidade na Casa, tendo o presidente interino Waldir Maranhão presidindo a Casa. O que mais esperamos é que esse processo possa ter um desfecho ainda durante o mês de julho", afirmou

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC), afirmou nesta quarta (28) que ele e outros líderes da base aliada têm pressa em resolver a "instabilidade" que se colocou na Casa após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Essa instabilidade, todos sabemos, é péssima para o país. O que nós queremos é um desfecho definitivo dessa situação. Não podemos, por exemplo, entrar o segundo semestre, tendo essa instabilidade na Casa, tendo o presidente interino Waldir Maranhão presidindo a Casa. O que mais esperamos é que esse processo possa ter um desfecho ainda durante o mês de julho", afirmou
O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC), afirmou nesta quarta (28) que ele e outros líderes da base aliada têm pressa em resolver a "instabilidade" que se colocou na Casa após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ); "Essa instabilidade, todos sabemos, é péssima para o país. O que nós queremos é um desfecho definitivo dessa situação. Não podemos, por exemplo, entrar o segundo semestre, tendo essa instabilidade na Casa, tendo o presidente interino Waldir Maranhão presidindo a Casa. O que mais esperamos é que esse processo possa ter um desfecho ainda durante o mês de julho", afirmou (Foto: Valter Lima)

247 - O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC), afirmou nesta quarta-feira (28) que ele e outros líderes da base aliada têm pressa em resolver a "instabilidade" que se colocou na Casa após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em 5 de maio.

"Essa instabilidade, todos sabemos, é péssima para o país. O que nós queremos é um desfecho definitivo dessa situação. Não podemos, por exemplo, entrar o segundo semestre, que é um segundo semestre que sabemos que é difícil por conta das Olimpíadas, do processo das eleições municipais nos estados, tendo essa instabilidade na Casa, tendo o presidente interino Waldir Maranhão presidindo a Casa. O que mais esperamos é que esse processo possa ter um desfecho ainda durante o mês de julho", afirmou Moura.

André Moura convocou a imprensa no fim da tarde para negar que o encontro entre Cunha e o presidente interino, Michel Temer (PMDB), no domingo (26), tenha tratado de qualquer assunto relativo ao processo de cassação do deputado afastado.

"O presidente Temer já deixou isso muito claro, em todas as reuniões que temos tido, em nenhum momento ele tem tratado do processo de cassação de Cunha, como também não tem tratado do processo sucessório aqui na Casa. Deixa clara a independência dos poderes", disse.

Segundo Moura, eles trataram da "situação política do país".

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Jair Bolsonaro
Poder

Para 70%, falas de Bolsonaro atrapalham

Um levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas aponta que, para 70% dos brasileiros, as declarações de Jair Bolsonaro mais atrapalham do que ajudam o governo. Apenas 23,8% afirmaram que suas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247