Janot corre para fechar delações antes de deixar cargo

Procurador-geral da República Rodrigo Janot está com pressa para fechar delações premiadas de peso para a Lava Jato, como as de Eike Batista, Antonio Palocci, Léo Pinheiro, Eduardo Cunha ou Lúcio Funaro, entre outras. Segundo informações de Mônica Bergamo, a pressa está vinculada à proximidade do fim de mandato de Janot

18/03/2015- Brasília- DF, Brasil- Entrevista coletiva do procurador-geral, Rodrigo Janot (dir.) e com o procurador-geral da Suiça, Michael Lauber, sobre as investigações da Operação Lava Jato, em Brasília.
18/03/2015- Brasília- DF, Brasil- Entrevista coletiva do procurador-geral, Rodrigo Janot (dir.) e com o procurador-geral da Suiça, Michael Lauber, sobre as investigações da Operação Lava Jato, em Brasília. (Foto: Aquiles Lins)

Jornal GGN - O procurador-geral da República Rodrigo Janot está com pressa para fechar delações premiadas de peso para a Lava Jato, como as de Eike Batista, Antonio Palocci, Léo Pinheiro, Eduardo Cunha ou Lúcio Funaro, entre outras. Segundo informações de Mônica Bergamo, a pressa está vinculada à proximidade do fim de mandato de Janot.

Por Mônica Bergamo

Na Folha

O entra e sai de advogados na Procuradoria Geral da República, em Brasília, tem sido frenético. Só nesta semana estiveram lá os representantes de Eike Batista, Antonio Palocci, Léo Pinheiro e das empreiteiras Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez. Os defensores de Eduardo Cunha e Lúcio Funaro também mantêm linha direta com os procuradores.

TODOS JUNTOS
Apesar das idas e vindas das negociações, a impressão é a de que a equipe de Rodrigo Janot quer fechar todos os acordos possíveis antes de ele deixar o cargo, em setembro. Os advogados têm a mesma pressa.

 

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247