Lula diz que fará referendo para revogar as reformas de Temer

Líder absoluto em todas as pesquisas de intenção de voto, Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que, caso seja eleito presidente em 2018, irá fazer um plebiscito para para revogar as reformas impostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer; Lula fez esta declaração em entrevista ao jornal espanhol "El Mundo", em que fala sobre sua possível volta ao Planalto; para Lula, o país tem que voltar a ser governado pensando nas maiorias e não em alguns poucos. Ele também acusa Temer de pretender "privatizar" o Brasil e justifica sua vontade de se candidatar mais uma vez para mostrar ao mundo que o Brasil "pode funcionar"

Líder absoluto em todas as pesquisas de intenção de voto, Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que, caso seja eleito presidente em 2018, irá fazer um plebiscito para para revogar as reformas impostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer; Lula fez esta declaração em entrevista ao jornal espanhol "El Mundo", em que fala sobre sua possível volta ao Planalto; para Lula, o país tem que voltar a ser governado pensando nas maiorias e não em alguns poucos. Ele também acusa Temer de pretender "privatizar" o Brasil e justifica sua vontade de se candidatar mais uma vez para mostrar ao mundo que o Brasil "pode funcionar"
Líder absoluto em todas as pesquisas de intenção de voto, Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que, caso seja eleito presidente em 2018, irá fazer um plebiscito para para revogar as reformas impostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer; Lula fez esta declaração em entrevista ao jornal espanhol "El Mundo", em que fala sobre sua possível volta ao Planalto; para Lula, o país tem que voltar a ser governado pensando nas maiorias e não em alguns poucos. Ele também acusa Temer de pretender "privatizar" o Brasil e justifica sua vontade de se candidatar mais uma vez para mostrar ao mundo que o Brasil "pode funcionar" (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera em todos os cenários a corrida eleitoral ao Planalto em 2018, afirmou neste domingo, em entrevista ao jornal espanhol "El Mundo", que fará um referendo para revogar muitas das reformas aprovadas pelo presidente Michel Temer caso vença as eleições de 2018.

Para Lula, o país tem que voltar a ser governado pensando nas maiorias e não em alguns poucos. Ele também acusa Temer de pretender "privatizar" o Brasil e justifica sua vontade de se candidatar mais uma vez para mostrar ao mundo que o Brasil "pode funcionar".

"Me candidato aos meus 72 anos porque há muitas pessoas que sabem governar, mas nenhum sabe cuidar do povo mais necessitado como eu faço. Conheço suas entranhas, sei como vivem, do que precisam. Se acreditavam que uma condenação ia me tirar a ideia de ser candidato, conseguiram o efeito contrário", disse Lula na entrevista.

"O julgamento ao qual estou submetido é uma farsa. Nem a Polícia Federal nem o Ministério Público encontraram uma única prova para me acusar, por isso digo que a sentença do juiz Sérgio Moro é eminentemente política", completou o ex-presidente ao ser perguntado sobre a condenação em primeira instância a nove anos e seis meses de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

O ex-presidente afirmou que hoje a imprensa tem mais poder que o Ministério Público no Brasil e que, pela primeira vez, um juiz está se comportando de acordo com a opinião pública.

"Encontraram dinheiro na casa de Aécio Neves, na do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, na do ex-ministro Geddel Vieira Lima, mas na minha casa, nada. Mexeram nas contas de bancos de todo mundo para encontrar algum desvio de dinheiro e, nada. Mas de manhã, de tarde e de noite a imprensa me destrói e se nega a publicar que não há provas contra mim", criticou Lula.

As informações são de reportagem da Agência Efe.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247