Lula lamenta decisão do CNMP sobre Deltan: página de vergonha para o MP

“Hoje percebi como um Conselho que foi criado enquanto eu era presidente, acreditando que poderia moralizar a Justiça, terminou por desmoralizá-la”, lamentou o ex-presidente, cujo recurso foi arquivado pelos conselheiros depois de 42 adiamentos

Lula / Deltan Dallagnol
Lula / Deltan Dallagnol (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu ao resultado do julgamento do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) nesta terça-feira (25) que arquivou um recurso de sua defesa para que três procuradores fossem punidos pela apresentação feita em 2016 com um PowerPoint para explicar a denúncia do Ministério Público no caso do triplex do Guarujá.

“Hoje percebi como um Conselho que foi criado enquanto eu era presidente, acreditando que poderia moralizar a Justiça, terminou por desmoralizá-la”, lamentou o ex-presidente. O processo foi julgado nesta terça após 42 adiamentos e depois que a defesa cobrou junto ao STF uma explicação sobre o atraso. O caso estava prestes a prescrever, em 13 de setembro.

Mesmo com um placar do plenário do CNMP favorável à abertura de um processo administrativo disciplinar contra Deltan Dallagnol, Roberto Pozzobon e Júlio Noronha (oito dos 11 integrantes do órgão votaram desta forma), a maioria entendeu, após uma longa discussão, que por conta do tempo as punições não poderiam mais ser aplicadas porque prescreveram.

“A decisão do CNMP, que sabe que Dallagnol é culpado, embora não tenha tido coragem de inocentá-lo, será uma página que ficará para a história como vergonha para o Ministério Público. O MP precisa compreender que toda responsabilidade que a legislação lhe deu em sua criação exige um comportamento exemplar, para merecer respeito da sociedade”, escreveu Lula ainda no Twitter.

“É uma pena que uma instituição que poderia ser tão nobre na prestação de serviço à sociedade brasileira seja empobrecida por alguns de seus membros”, completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247