Marcado novo ato contra Lula: quantas kombis?

Protesto já tem data. Será no dia 24 de fevereiro, também em frente ao Masp, em São Paulo, e os organizadores pedem a presença de dois dos principais líderes da oposição, Álvaro Dias (PSDB/PR) e Roberto Freire (PPS/PE), para reforçar um movimento que, no último domingo, reuniu apenas 20 pessoas. Será que desta vez será possível juntar um número maior de brasileiros para chamar o ex-presidente Lula de ladrão?

Marcado novo ato contra Lula: quantas kombis?
Marcado novo ato contra Lula: quantas kombis?
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mexeu com o Brasil, mexeu comigo. Com este lema, um grupo de brasileiros tenta mobilizar manifestantes pelas redes sociais para exigir que o ex-presidente Lula seja também implicado no processo do mensalão. Ontem, no primeiro ato da série, apenas 20 pessoas se aglutinaram em frente ao Museu de Arte de São Paulo, o Masp. Mas os organizadores esperam contar, no segundo protesto, marcado para 24 de fevereiro, com as presenças de dois dos principais líderes da oposição: Álvaro Dias (PSDB/PR) e Roberto Freire (PPS/PE). Será que agora vai?

Abaixo, notícia anterior do 247 sobre a mobilização:

"MULTIDÃO" CONTRA LULA NA PAULISTA: 20 PESSOAS

Protesto realizado em São Paulo na tarde deste domingo associou o ex-presidente ao mensalão, mas não conseguiria encher mais do que duas kombis; nas faixas, Lula era chamado de ladrão; das 1,8 mil pessoas que confirmaram presença pelo Facebook, só duas dezenas marcaram presença; será essa a força da oposição no Brasil?

247 - No segundo domingo de 2013, um protesto convocado pelas redes sociais contra a corrupção e o ex-presidente Lula conseguiu reunir apenas 20 pessoas na Avenida Paulista, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp). 

O lema dos manifestantes era "Mexeu com o Brasil, mexeu comigo", numa resposta ao movimento "Mexeu com Lula, mexeu comigo", que se fortaleceu nas redes sociais após as denúncias de Marcos Valério contra o ex-presidente.

Numa das faixas, Lula era chamado de ladrão. Um dos presentes, o professor Antonio da Silva Ortega, disse que estava presente por temer que o Brasil se transformasse "numa Cuba ou Venezuela".

Pelas redes sociais, 1,8 mil pessoas haviam confirmado presença, mas apenas vinte compareceram, no domingo chuvoso em São Paulo. Será essa a força da oposição no Brasil?

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email