Marina vê “banalização” da palavra golpe

Ex-senadora Marina Silva (Rede) voltou a defender a realização de novas eleições para a Presidência da República como a melhor maneira de lidar com a crise politica atual e afirmou que a palavra "golpe" está sofrendo uma "banalização"; "Está havendo uma banalização da palavra 'golpe'. Daqui a pouco, a criança pega a bala da outra no recreio e se usa a palavra golpe. A ditadura, essa, sim, golpeou a nossa democracia. Nova eleição não tem nada a ver com golpe", disparou; "O impeachment alcança a legalidade, mas não a finalidade"

Ex-senadora Marina Silva (Rede) voltou a defender a realização de novas eleições para a Presidência da República como a melhor maneira de lidar com a crise politica atual e afirmou que a palavra "golpe" está sofrendo uma "banalização"; "Está havendo uma banalização da palavra 'golpe'. Daqui a pouco, a criança pega a bala da outra no recreio e se usa a palavra golpe. A ditadura, essa, sim, golpeou a nossa democracia. Nova eleição não tem nada a ver com golpe", disparou; "O impeachment alcança a legalidade, mas não a finalidade"
Ex-senadora Marina Silva (Rede) voltou a defender a realização de novas eleições para a Presidência da República como a melhor maneira de lidar com a crise politica atual e afirmou que a palavra "golpe" está sofrendo uma "banalização"; "Está havendo uma banalização da palavra 'golpe'. Daqui a pouco, a criança pega a bala da outra no recreio e se usa a palavra golpe. A ditadura, essa, sim, golpeou a nossa democracia. Nova eleição não tem nada a ver com golpe", disparou; "O impeachment alcança a legalidade, mas não a finalidade" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-senadora Marina Silva (Rede) voltou a defender a realização de novas eleições para a Presidência da República como a melhor maneira de lidar com a crise politica atual. Marina, que foi derrotada lugar na última eleição presidencial, disse que a palavra "golpe" está sofrendo uma "banalização". "Está havendo uma banalização da palavra 'golpe'. Daqui a pouco, a criança pega a bala da outra no recreio e se usa a palavra golpe. A ditadura, essa, sim, golpeou a nossa democracia. Nova eleição não tem nada a ver com golpe", disparou.

A ex-senadora também negou que a sua defesa pela convocação de novas eleições seja uma iniciativa de caráter pessoal. "Só uma nova eleição poderá estabilizar o País, dar credibilidade e legitimidade para uma agenda de transição. A minha posição é de insistir numa nova eleição pelo caminho do processo no Tribunal Superior Eleitoral. O impeachment alcança a legalidade, mas não a finalidade", disse.

"Ninguém pode falar em candidatura antes de devolver aos cidadãos a possibilidade de votar. Quando comecei a defender a tese, sequer podia me candidatar. Defendo por convicção", completou.

Marina também criticou o vice-presidente Michel Temer (PMDB) que deverá assumir a Presidência no caso da presidente Dilma Rousseff vir a ser afastada por meio do processo de impeachment. Eu nunca vi o vice-presidente Michel Temer fazer uma crítica à presidente Dilma. "Eu convivi com o vice-presidente José Alencar e ele criticava (o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva)", assegurou.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email