Moro passou informações privilegiadas para Bolsonaro

O ex-ministro teve acesso a investigações que tramitavam sob segredo de justiça, como no caso das laranjas do PSL, e informações privilegiadas, como no inquérito dos "hackers" que vazaram mensagens de Telegram ao site Intercept Brasil

Minas se coloca contra o Estado de exceção
Minas se coloca contra o Estado de exceção (Foto: Pedro de Oliveira/ ALEP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após Sérgio Moro pedir demissão na última sexta-feira (24) e denunciar as intenções de Jair Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal, parte da imprensa tentou ofuscar as imoralidades cometidas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública que acessou informações privilegiadas e “relatórios de inteligência” no comando da pasta. A reportagem é do portal GNN.  

Em julho de 2019, com o desdobramento do escândalo dos laranjas do PSL, Bolsonaro disse a jornalistas que Moro “mandou a cópia do que foi investigado pela Polícia Federal". "Mandei um assessor meu ler porque eu não tive tempo de ler", acrescentou.  

A investigação de laranjas do PSL tramitava sob segredo de Justiça em Minas Gerais. A Folha de São Paulo escreveu que “surgem dúvidas éticas e legais” quando Bolsonaro determinou que Moro mandasse a Polícia Federal investigar os supostos esquemas ilícitos de outros partidos. 

Moro também teve acesso privilegiado ao inquérito dos supostos hackers que vazaram mensagens de Telegram ao site Intercept Brasil. O ex-ministro da Justiça chegou a telefonar para os citados nas conversas prometendo que os resquícios (provas) seriam destruídos.

O presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal (ADPF), Edvandir Paiva, pediu a Moro um maior distanciamento dos trabalhos da corporação. “Em tese, o ministro da Justiça não deveria ter nenhuma informação sobre investigação sigilosa”, afirmou Paiva

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247