Movimentos anti-Dilma já preparam defesa de Temer

O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que "o áudio vazado" mostra o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa"; o MBL ignora, no entanto, que o nome do peemedebista foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores

O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que "o áudio vazado" mostra o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa"; o MBL ignora, no entanto, que o nome do peemedebista foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores
O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que "o áudio vazado" mostra o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa"; o MBL ignora, no entanto, que o nome do peemedebista foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Movimentos de rua que se organizaram manifestações pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff passam a defender o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), já começam a se articular em defesa do peemedebista, caso ele assuma o Palácio do Planalto.

O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que o áudio vazado "mostra Temer como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa".

O MBL ignora, no entanto, que o nome de Temer foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores.

O fato é que uma aliança com o vice-presidente Temer pode render cargos e alianças políticas para os candidatos que o MBL deve lançar através de partidos da oposição neste ano eleitoral municipal, além de 2018.

Leia mais no Democratize

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email