Movimentos anti-Dilma já preparam defesa de Temer

O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que "o áudio vazado" mostra o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa"; o MBL ignora, no entanto, que o nome do peemedebista foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores

O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que "o áudio vazado" mostra o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa"; o MBL ignora, no entanto, que o nome do peemedebista foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores
O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que "o áudio vazado" mostra o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa"; o MBL ignora, no entanto, que o nome do peemedebista foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Movimentos de rua que se organizaram manifestações pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff passam a defender o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), já começam a se articular em defesa do peemedebista, caso ele assuma o Palácio do Planalto.

O Movimento Brasil Livre (MBL), de Kim Kataguiri, afirma que o áudio vazado "mostra Temer como estadista", enquanto a conversa entre Dilma e Lula vazada pelo juiz Sérgio Moro a mostra como "criminosa".

O MBL ignora, no entanto, que o nome de Temer foi envolvido mais de quatro vezes nas investigações da Lava Jato, e foi citado como "padrinho do PMDB" nas indicações da Petrobras por diferentes delatores.

O fato é que uma aliança com o vice-presidente Temer pode render cargos e alianças políticas para os candidatos que o MBL deve lançar através de partidos da oposição neste ano eleitoral municipal, além de 2018.

Leia mais no Democratize

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247