MST critica Dilma por atraso em reforma agrária

Segundo presidente do movimento, João Paulo Rodrigues, desempenho foi pior do que o ultimo governo militar de João Figueiredo; ele critica a presidente por ser “refém da bancada ruralista” e ter “ilusão com o agronegócio”

João paulo rodrigues coordenador nacional do Mst , da entrevista a Agência Brasil no forum social mundial foto marcello casal jr local Ginasio tesourinha
João paulo rodrigues coordenador nacional do Mst , da entrevista a Agência Brasil no forum social mundial foto marcello casal jr local Ginasio tesourinha (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O presidente do MST, João Paulo Rodrigues, voltou a criticar a política de Dilma Rousseff para a reforma agrária. “É uma vergonha. São dez os imóveis desapropriados pelo governo Dilma. Pior que o último governo militar (João Figueiredo), quando foram desapropriados 152 imóveis”, disse ele, segundo coluna do Ilimar Franco, do Globo.

Rodrigues critica a presidente por ser “refém da bancada ruralista” e ter “ilusão com o agronegócio”. O Ministério do Desenvolvimento Agrário passou a priorizar a produção dos atuais assentamentos. O ministro Pepe Vargas reconhece que “há acampamentos em áreas emblemáticas” (no Sul), mas explica que, nesses casos, “é impossível desapropriar”, diz ainda a nota.

No site do movimento, Alexandre Conceição, da Coordenação Nacional do MST, afirma que, no próximo período, irão intensificar as jornadas de lutas contra a ofensiva do capital estrangeiro e farão ocupações de latifúndios improdutivos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247