"Não é bravata. Não terá teto de gastos em lei no nosso país", garante Lula

Lula ressaltou que o teto de gastos foi criado com o objetivo de evitar aumentos para os orçamentos das áreas de saúde, educação e de programas de distribuição de renda

www.brasil247.com - Luiz Inácio Lula da Silva
Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)


Lisandra Paraguassu, Reuters - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou novamente nesta sexta-feira que, caso seja eleito, não terá um teto de gastos no Orçamento do país.

"Não é bravata, mas não terá teto de gastos em lei no nosso país", disse Lula em um encontro com trabalhadores da área de saúde.

Lula tem repetido que não irá manter o teto, mas qualquer mudança depende de negociação com o Congresso. Como o teto foi instituído como emenda à Constituição, seria preciso uma nova Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que requer o apoio de três quintos dos deputados e senadores, para acabar com ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na quinta-feira, em um evento da XP Investimentos, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), lembrou que seja qual o for o eleito terá que negociar com o Congresso qualquer mudança.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Não adianta o candidato 'A', o candidato 'B', ou o candidato 'C' dizer que 'eu não concordo com isso, que eu vou desprivatizar aquilo, ou que vou desmaterializar uma reforma constitucional que foi feita pelo Congresso Nacional'. As coisas terão que ser discutidas, dialogadas, democraticamente, como é o nosso processo eleitoral", disse Lira.

O próprio presidente da Câmara, no entanto, encampou as mudanças que permitiram ao atual governo de Jair Bolsonaro contornar o teto de gastos para aumentar o Auxílio Brasil em um ano eleitoral.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula disse ainda que o teto foi criado apenas para evitar dar aumentos para os orçamentos de saúde, educação e programas de renda.

No evento desta sexta, uma conferência em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS), o ex-presidente lembrou que, caso seja eleito, pegará o país em uma situação ainda mais difícil que em 2003, quando assumiu a Presidência pela primeira vez.

"Mas não esperem de mim ficar chorando que não tem dinheiro. Nós vamos ter que encontrar o dinheiro", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email