Palocci fala em mais mil MPs, mas governos petistas só editaram 642

Para ter sua pena diminuída em até dois terços, o ex-ministro petista disse que das mil MPs, 90% tiveram relação com propinas, mas esqueceu de fazer as contas: só 642 foram editadas por Lula e Dilma

Palocci fala em mais mil MPs, mas governos petistas só editaram 642
Palocci fala em mais mil MPs, mas governos petistas só editaram 642
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 -  Uma das informações divulgadas pela trecho da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci, cujo sigilo foi suspenso nesta segunda-feira (1) pelo juiz federal Sérgio Moro, já foi contestada. Na delação, Palocci disse que os governos petistas editaram mais 1 mil medidas provisórias (MPs) e que pelo menos 900 delas tiveram propina, quando Lula e Dilma editaram juntos, em 13 anos, 642 MPs.

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) criticou a divulgação da delação e que os números relatados são um 'erro grotesco'.

"O relatório da PF que Sergio Moro vazou a 6 dias das eleições é algo tão imprestável que eles sequer viram o erro grotesco do número de medidas provisórias. Palocci falou em mil MPs, mas de 2003 até o golpe contra a Dilma foram 624 MPs. Trabalho porco típico de irresponsáveis", disse Pimenta.

Com o acordo, Palocci pode ter sua pena reduzida em até dois terços nos processos em que é réu na Justiça Federal do Paraná.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247