Para Eliane, "tropeço" de Dilma tem fundo de verdade

Para colunista, a frase original da presidente, sobre não sacrificar o crescimento econômico em benefício da estabilidade de preços, depois corrigida pelo Planalto, soou como heresia, mas combina com a ação do seu governo

Para Eliane, "tropeço" de Dilma tem fundo de verdade
Para Eliane, "tropeço" de Dilma tem fundo de verdade
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A colunista política Eliane Cantanhêde, da Folha, decidiu dar seus pitacos na economia e comentou a frase da presidente Dilma Rousseff, sobre a dicotomia entre inflação e crescimento econômico. Segundo a presidente, um milímetro a menos de inflação não justifica freadas bruscas no crescimento – o que foi interpretado por agentes do mercado financeiro como sinal verde para a alta de preços e levou a presidente a esclarecer seus pontos de vista no Blog do Planalto. Mas o "tropeço" de Dilma, segundo Eliane, tem fundo de verdade. Leia abaixo:

O ato falho de Dilma

BRASÍLIA - Pelo visto e pelos relatos da imprensa, a ida da presidente Dilma Rousseff à reunião dos Brics, em Durban, foi cheia de percalços. E de tropeços.

Dilma levou chá de cadeira do presidente da África do Sul, Jacob Zuma. Depois de quase uma hora e meia esperando, com seus ministros, imagine-se o humor da presidente. Ela voltou para o hotel e foi à abertura do encontro, mas dispensou o jantar. Não é trivial. Será que alegou uma dor de cabeça danada?

Ontem, Dilma disse em entrevista coletiva que não concorda com combate à inflação à custa do desenvolvimento. Depois, diante da reação de espanto e crítica, disse que não disse. Mas é o que ela pensa, certo?

Vejamos as frases da presidente: 1) "Não concordo com políticas de combate à inflação que olhem a questão da redução do crescimento econômico"; 2) "Esse receituário que quer matar o doente em vez de curar a doença, ele é complicado. Eu vou acabar com o crescimento do país?".

O mercado deu um pulo. Interpretou que Dilma estava assumindo a leniência com a inflação, o que, a esta altura do campeonato, é quase uma heresia. Nesses pouco mais de dois anos, o combate à inflação não chega a ser prioridade. Mas há coisas que até se pensam, mas não se dizem. Principalmente presidentes.

Pelo Blog do Planalto, Dilma tentou consertar. Acusou que sua fala foi manipulada por agentes do mercado financeiro e empurrou o abacaxi para o presidente do BC descascar. Ele é que mostrasse por "A" mais "B" que, como disse Dilma na nova versão, "o combate à inflação é um valor em si mesmo e permanente".

Cá entre nós, a frase original de Dilma tem um fundo de verdade e combina com a ação do seu governo, já que a inflação ultrapassa o centro da meta e se aproxima do teto. E o pior é que o Brasil não tirou nota baixa na inflação para poder tirar 10 no crescimento. Com pibinho de 0,9% em 2012 (bem abaixo dos Brics), não brilhou em nenhum dos dois.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email