Pedro Novais entrega carta de demissão a Dilma

Ex-ministro tentou ficar no Turismo para enfrentar a crise, mas sucumbiu s presses e entregou o cargo; PMDB apresentou lista de opes a Michel Temer

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pedro Novais tentou, mas não conseguiu se segurar no cargo de ministro do Turismo por mais de 48 horas depois das denúncias de que pagou, durante os sete anos em que foi deputado, a governanta de sua casa com dinheiro da Câmara dos Deputados. O ex-ministro apresentou a carta de demissão à presidente Dilma Rousseff depois de se reunir com o vice-presidente, Michel Temer, no Palácio do Planalto. Novais chegou ao anexo do Palácio, onde fica a vice-Presidência, dizendo que não sabia o motivo da reunião. Deixou o Palácio como o quinto ministro do governo Dilma a cair. Mas não vendeu a queda fácil:

Evam Sena_247, em Brasília – Estava tudo certo para que, na reunião com o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), o ministro do Turismo, Pedro Novais, aceitasse deixar o ministério e já escrevesse sua carta de demissão. Mesmo sem o apoio do seu partido e até do líder, Novais esperneou, pediu para ficar no cargo, e enfrentar a crise.

A situação do peemedebista maranhense ficou insustentável depois de revelações da Folha de S. Paulo de que mal uso de verba pública. Ele pagou, durante sete anos em que foi deputado, governanta de sua casa com dinheiro da Câmara dos Deputados. Sua mulher utiliza atualmente como motorista um funcionário do gabinete do deputado Francisco Escórcio (PMDB-MA), que não trabalha na Câmara.

Depois da sucessão de denúncias que o atingem diretamente, Novais perdeu o apoio de seu partido. O presidente do PMDB, senador Valdir Raupp, disse hoje que a legenda não pode se comprometer por conta de uma pessoa. Ele afirmou, porém, que o partido não discutiu a situação, não pensa ainda no sucessor, e que espera esclarecimentos de Novais.

Em reunião com Novais, Henrique Alves pediu que ele refletisse sobre o desgaste que a sua permanência no governo vai trazer ao PMDB e a si próprio. Antes, em reunião com peemedebistas, o líder sinalizou que é mais importante manter o ministério com o partido, do que Novais no comando.

Alves deu um novo ultimato para Novais, que deve responder se fica ou não até as 15h de hoje. Apesar do apoio mais fraco do PMDB, o ministro conta ainda com o aval do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Apesar de Henrique Alves estar na linha de frente das negociações sobre o Ministério do Turismo, Sarney é tão ou mais responsável pela indicação de Novais. Há informações de que Sarney teria se irritado com as notícias da demissão.

O PMDB e o Planalto esperam o vice-presidente, Michel Temer, chegar de São Paulo, onde se recupera de infecção intestinal, para decidir o futuro do ministério. A presidente Dilma Rousseff já marcou reunião com Temer para tratar da sucessão. O governo espera a carta de demissão, a pedido, para hoje.

A oposição estuda acionar o Conselho de Ética da Câmara com denúncia contra Novais, que é deputado licenciado, e Francisco Escórcio por quebra de decoro parlamentar. O Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, já anunciou ontem que o Ministério Público vai investigar a denúncia de pagamento indevido à governanta.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247