PP, DEM, PRB, Solidariedade, PSC e PR, o ‘centrão’, tendem a optar pelo ‘salve-se quem puder’

O chamado ‘centrão’, o bloco fisiológico formado pelos cinco pequenos partidos de direita mais o DEM – que segundo o filósofo Mangabeira Unger é um partido de ‘empreendedores regionais’ – caminha para o estilhaçamento eleitoral; na incerteza entre aderir a Ciro Gomes ou a Geraldo Alckmin, a tendência é que o bloco se esfacele e seja ‘cada um por si’

PP, DEM, PRB, Solidariedade, PSC e PR, o ‘centrão’, tendem a optar pelo ‘salve-se quem puder’
PP, DEM, PRB, Solidariedade, PSC e PR, o ‘centrão’, tendem a optar pelo ‘salve-se quem puder’
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O chamado ‘centrão’, o bloco fisiológico formado pelos cinco pequenos partidos de direita mais o DEM – que segundo o filósofo Mangabeira Unger é um partido de ‘empreendedores regionais’ – caminha para o estilhaçamento eleitoral. Na incerteza entre aderir a Ciro Gomes ou a Geraldo Alckmin, a tendência é que o bloco se esfacele e seja ‘cada um por si’.

“Uma reunião na próxima quinta-feira com líderes de PP, DEM, PRB, Solidariedade, PSC e PR deve definir o destino que os partidos vão seguir na eleição presidencial. Apesar de o discurso oficial, mantido há meses, sustentar que o bloco vai caminhar junto, a união está perto de terminar. Há divergências sobre qual pré-candidato receberá apoio — Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) ou Alvaro Dias (Podemos) —, o que deve ser determinante para o rompimento. O PR, mais descolado, está próximo de Jair Bolsonaro (PSL).

As seis legendas têm, juntas, 174 deputados, um financiamento eleitoral superior a R$ 650 milhões e quase um terço do tempo da propaganda eleitoral gratuita na televisão. A possibilidade de usar esta força em conjunto para influenciar um futuro governo, no entanto, esbarra em divergências internas.

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247