Presidente da Câmara quer suspender recesso para votar denúncia contra Temer

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) admitiu nesta quinta-feira 15 que o recesso parlamentar pode ser adiado para que a Câmara vote a abertura da ação contra Michel Temer; a denúncia deve ser apresentada na próxima semana pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot; há expectativa, porém, que ela fique ao menos 20 dias nas mãos do ministro relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin; "Não dá para ficar carregando isso para o próximo semestre", disse Maia

rodrigo maia
michel temer
rodrigo maia michel temer (Foto: Gisele Federicce)

247 - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu nesta quinta-feira 15 que pode adiar o recesso parlamentar para que a Câmara vote a abertura da ação contra Michel Temer.

A denúncia por corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa deve ser apresentada na próxima semana pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Há expectativa, porém, que ela fique ao menos 20 dias nas mãos do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF. Antes de encaminhar para o aval do Congresso, Fachin deve pedir a manifestação das partes para "aparelhar" a acusação.

De acordo com a Constituição, antes de o Supremo julgar se abre ou não uma ação penal contra o presidente da República, a Câmara precisa chancelar.

Maia disse ao blog da jornalista Andréia Sadi, no G1, querer votar "o mais rápido possível" a denúncia da PGR. "Não dá para ficar carregando isso para o próximo semestre. Para o Brasil, é importante que o assunto termine logo, não pode ficar 15 dias pendurado no recesso e parando o Brasil", declarou.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247