Presidente da comissão da reforma política diz que entonação diferencia caixa 2

Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima e presidente da comissão especial que discute a reforma política na Câmara, defendeu uma legislação que diferencie os crimes de caixa dois; em entrevista ao Bom Dia Brasil, da Globo, Lúcio Vieira Lima, defendeu que os crimes de caixa dois tenham finalidades e até punições distintas. Segundo ele, até a entonação diferencia o "caixa dois", do "caixa dooois"; assista acima

Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima e presidente da comissão especial que discute a reforma política na Câmara, defendeu uma legislação que diferencie os crimes de caixa dois; em entrevista ao Bom Dia Brasil, da Globo, Lúcio Vieira Lima, defendeu que os crimes de caixa dois tenham finalidades e até punições distintas. Segundo ele, até a entonação diferencia o "caixa dois", do "caixa dooois"; assista acima
Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima e presidente da comissão especial que discute a reforma política na Câmara, defendeu uma legislação que diferencie os crimes de caixa dois; em entrevista ao Bom Dia Brasil, da Globo, Lúcio Vieira Lima, defendeu que os crimes de caixa dois tenham finalidades e até punições distintas. Segundo ele, até a entonação diferencia o "caixa dois", do "caixa dooois"; assista acima (Foto: Aquiles Lins)

247 - O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima e presidente da comissão especial que discute a reforma política na Câmara, defendeu uma legislação que diferencie os crimes de caixa dois. 

Em entrevista ao Bom Dia Brasil, da Globo, Lúcio Vieira Lima, defendeu que os crimes de caixa dois tenham finalidades e até punições distintas. Segundo ele, até a entonação diferencia o "caixa dois", do "caixa dooois". 

Assista acima. 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247