PT não vai expulsar condenados por mensalão

Reunido para encontro de seu Diretório Nacional, partido não vai aplicar o Código de Ética para expulsar José Dirceu, Delúbio Soares, João Paulo Cunha e José Genoino, condenados na Ação Penal 470. "O fato de Dirceu e outros companheiros terem sido condenados não significa que o PT os esteja condenando", justificou a deputada Benedita da Silva (PT-RJ)

PT não vai expulsar condenados por mensalão
PT não vai expulsar condenados por mensalão
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O PT não pretende aplicar seu Código de Ética para expulsar os réus do partido que foram condenados no julgamento do mensalão. "O fato de Dirceu e outros companheiros terem sido condenados não significa que o PT os esteja condenando", justificou a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) ao Estadão. O tal Código foi criado após o escândalo do mensalão e teve entre os redatores o atual ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A regra prevê a expulsão de filiados envolvidos em escândalos e condenados em última instância pela Justiça.

Além de proteger os membros, o partido também defende que a última palavra sobre a perda do mandato dos parlamentares não cabe ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas à Câmara dos Deputados, como defende o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS). No primeiro dia de reunião do Diretório Nacional do partido, iniciado nesta sexta-feira 7, os petistas criticaram os "excessos" do Supremo e cobraram a mesma rigidez no julgamento do "mensalão mineiro", que envolve o PSDB.

O ex-ministro Casa Civil José Dirceu foi o único dos réus petistas a participar do encontro. Além dele, foram condenados o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-presidente do PT José Genoino. Ambos são afetados pela decisão sobre a perda de mandato -- Cunha perde a posição de deputado e Genoino, que é suplente, não poderá assumir a vaga de deputado federal em janeiro de 2013.

"É ao PT que cabe o direito de defesa dos acusados, com comprovação das denúncias, porque o Supremo não permitiu isso", comentou Benedita. "Nós estamos tristes e lamentamos o formato do julgamento por parte do Supremo, que não levou em conta provas. Houve muito exagero", emendou o deputado André Vargas (PR), secretário de Comunicação do PT. Para Vargas e Benedita, "não faz sentido" o Supremo decidir sobre a perda de mandato dos parlamentares.

"Estamos falando de competência, de quem é eleito para julgar. Essa é uma decisão política. Quem julga mandatos somos nós, que estamos no Congresso", argumenta Benedita. Apesar dessas questões, o partido fez um balanço positivo de 2012, com a conquista de 612 prefeituras, incluindo São Paulo. "Agora estamos na fase de superação", resumiu Vargas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247