PT pede para TSE investigar disparos pró-Bolsonaro pelo WhatsApp da Espanha

PT vai adicionar as novas revelações a uma ação que tramita no TSE desde outubro para apurar o impulsionamento de mensagens pelo WhatsApp contra a sigla e seu candidato, Fernando Haddad. "TSE, PGR e PF devem respostas à sociedade brasileira", diz a presidente do PT, Gleisi Hoffmann

Jair Bolsonaro e Fernando Haddad
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O Partido dos Trabalhadores irá ingressar no Tribunal Superior Eleitoral com pedido de investigação sobre a atuação de uma empresa da Espanha que fez disparos de mensagens em massa pelo WhatsApp em favor de Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral do ano passado. As revelações foram feitas pela jornalista Patricia Campos Mello, da Folha de S. Paulo.  

O PT vai adicionar as novas revelações a uma ação que tramita no TSE desde outubro para apurar o impulsionamento de mensagens pelo WhatsApp contra a sigla. O caso está sob a relatoria do corregedor-geral eleitoral, ministro Jorge Mussi.

A presidente nacional do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou que "o TSE, a Procuradoria-Geral da República e a Polícia Federal, acionados pelo PT desde o segundo turno das eleições, devem respostas à sociedade brasileira, para que sejam apuradas e punidas as violações à lei e ao processo democrático".

PUBLICIDADE

"A difusão massiva de mentiras e notícias falsas contra o PT e o candidato Fernando Haddad foi parte de uma ação orquestrada para impedir que as eleições de 2018 transcorressem no campo limpo da democracia. Ela se soma à farsa judicial armada para condenar e prender injustamente o presidente Lula, que é inocente das acusações armadas contra ele, de forma a impedir sua candidatura que seria vitoriosa segundo todas as pesquisas", afirma a petista.

Para a dirigente petista, as novas revelações podem destravar a ação que corre há oito meses. Até agora, ninguém foi ouvido no processo. 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email