Reação da Câmara ao STF será concentrada em Alves

Integrantes da Mesa Diretora, como o deputado Fábio Faria (PSD-RN), evitam se posicionar pessoalmente sobre decisão final da vida política dos parlamentares condenados pelo STF no processo do mensalão; segundo eles, assunto tem que ser tratado pelo próprio presidente da Câmara Federal; Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) voltou a defender, nesta terça-feira 5, a prerrogativa da Casa em decidir sobre a cassação dos mandatos

Reação da Câmara ao STF será concentrada em Alves
Reação da Câmara ao STF será concentrada em Alves
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Juliane Sacerdote _Brasília 247 – O discurso já está afinado. Integrantes da Mesa Diretora tem evitado dar declarações que possam expressar opinião diferente da já defendida publicamente pelo novo presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

O peemedebista voltou a afirmar, nesta terça-feira 5, que cabe à Câmara a decisão sobre o futuro político dos parlamentares condenados pelo Supremo Tribunal Federal no processo do mensalão. "Quem declara a perda de mandato, vacância do cargo e a convocação do suplente é a Câmara dos Deputados", declarou aos jornalistas.

Ao Brasília 247, o deputado Fábio Faria (PSD-RN), segundo vice-presidente, evitou posicionar-se, alegando que o "assunto" deveria ser tratado pelo próprio presidente, como ficou decidido pela Mesa Diretora. O parlamentar disse apenas "não acreditar" em crise institucional entre os poderes legislativo e judiciário. "Não acredito em nenhum momento em crise. Jamais vão se chocar os poderes legislativo e judiciário. O próprio presidente [Henrique] não acredita em crise. Vai haver entendimento", destacou à reportagem.

Posição

Para quem tinha dúvidas sobre seu posicionamento, Henrique Eduardo Alves não perdeu tempo e disparou instantes depois de tomar posse: "com todo o respeito aos outros poderes, mas é o poder legislativo que representa o povo na sua mais sincera legitimidade. Que o judiciário e o executivo não se esqueçam, que aqui só tem parlamentar abençoado pelo voto popular".

O posicionamento reforça a opinião da antiga presidência da Casa, que teve no deputado Marco Maia (PT-RS) um defensor intenso da prerrogativa da Câmara de cassar os mandatos dos parlamentares já condenados pelo STF.

Mesmo com todo o movimento da Câmara Federal, o presidente da Suprema Corte, ministro Joaquim Barbosa, disse "não acreditar" que a casa não vá cumprir qualquer determinação do judiciário. Sem alongar a questão, afirmou aos jornalistas: "no Brasil, qualquer assunto que tenha natureza constitucional, uma vez judicializado, a palavra final é do Supremo Tribunal Federal, não tenho mais nada a dizer".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247