Renan se reunirá com Dilma e com Lewandowski

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na tarde desta segunda-feira (18) com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para receber a autorização dada pelos deputados para instauração de procedimento de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; após receber o processo, Renan se reunirá com Dilma e, na sequência, com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na tarde desta segunda-feira (18) com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para receber a autorização dada pelos deputados para instauração de procedimento de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; após receber o processo, Renan se reunirá com Dilma e, na sequência, com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na tarde desta segunda-feira (18) com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para receber a autorização dada pelos deputados para instauração de procedimento de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; após receber o processo, Renan se reunirá com Dilma e, na sequência, com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), se reúne às 15h desta segunda-feira com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para receber a autorização dada pelos deputados no domingo para instauração de procedimento de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Após receber o processo, Renan se reunirá com Dilma e, na sequência, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

A Câmara dos Deputados autorizou no domingo a instalação do processo de impeachment contra Dilma por 367 votos a 137, e agora caberá aos senadores decidir se referendam a decisão dos deputados por maioria simples.

Caso isso aconteça, Dilma será afastada da Presidência temporariamente por 180 dias ou até a conclusão de seu julgamento pelo Senado, e o vice-presidente Michel Temer assumirá o cargo nesse período.

A tramitação do pedido de abertura de impeachment contra Dilma no Senado ainda não foi definida por Renan, embora a consultoria técnica da Casa já tenha proposto um rito.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello; Texto de Eduardo Simões; Edição de Raquel Stenzel)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247