Russomano fracassa em manter ação no STF

Lder das pesquisas de inteno de voto em So Paulo, Celso Russomano tentava pela segunda vez manter a ao em que acusado de ter praticado o crime de falsidade ideolgica no STF, mas ele no tem mais mandato parlamentar

Russomano fracassa em manter ação no STF
Russomano fracassa em manter ação no STF (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O pré-candidato do PRB à Prefeitura paulista, Celso Russomano, fracassou hoje novamente na tentativa de manter no Supremo Tribunal Federal (STF) uma ação na qual ele é acusado de ter praticado o crime de falsidade ideológica.

Sob o argumento de que Russomano não tem mais mandato parlamentar, os ministros do STF rejeitaram pela segunda vez o pedido do líder das pesquisas de opinião de voto para a Prefeitura. No Brasil, congressistas e autoridades como o presidente da República e ministros de Estado têm direito ao foro privilegiado no Supremo. Ou seja, somente podem ser investigados e processados perante o STF.

No entanto, quando esses políticos deixam seus cargos, eventuais inquéritos e processos criminais abertos contra eles no Supremo são transferidos para a Justiça de 1ª. Instância.

A abertura da ação criminal foi determinada pelo STF em junho de 2008. Conforme a acusação do Ministério Público Federal, o político teria simulado um contrato de locação de imóvel com terceiro para conseguir, em 1999, a transferência de seu domicílio eleitoral de São Paulo para Santo André. O objetivo seria concorrer à prefeitura da cidade em 2000. Ele perdeu a disputa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email