Sakamoto: “fraude na urna” cometerá o candidato que não reconhecer a escolha popular

"Defender que Fernando Haddad representa o mesmo risco à democracia e às instituições que Jair Bolsonaro, em uma falsa equivalência, não é apenas um equívoco, mas um ato irresponsável", diz o jornalista Leonardo Sakamoto

Sakamoto: “fraude na urna” cometerá o candidato que não reconhecer a escolha popular
Sakamoto: “fraude na urna” cometerá o candidato que não reconhecer a escolha popular (Foto: Dir.: Adriano Machado - Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Defender que Fernando Haddad representa o mesmo risco à democracia e às instituições que Jair Bolsonaro, em uma falsa equivalência, não é apenas um equívoco, mas um ato irresponsável", escreve o jornalista Leonardo Sakamoto. "Pois quando Bolsonaro ameaça torturar a democracia se as urnas não o ungirem eleito em outubro, afirmando e reafirmando que não reconhecerá resultado que não seja o de sua própria eleição, deixa – naquele momento – de ser candidato à Presidência e torna-se uma ameaça à República. E como tal, suas declarações devem ser tratadas, sem 'mas' ou 'por outro lado'", acrescenta.

O jornalista reforça que "a chapa eleitoral PSL-PRTB e apoiadores que têm pautado a eleição com temas como a possibilidade de um 'autogolpe', denúncias sem embasamento de fraude na urna eletrônica, ideias de reescrever a Constituição por um pequeno grupo de iluminados que não foram eleitos, censura a livros escolares, além de avisos de que as Forças Armadas podem tomar as rédeas da situação a depender do que aconteça". "Em qualquer país, isso seria um escândalo de grandes dimensões", avalia.

"Essa discussão não é sobre a forma como cada um vai governar se eleito e quais objetivos pretende alcançar. Estamos falando sobre a subversão do sistema democrático. Não é tampouco um debate sobre conservadores e progressistas, mas a respeito de civilização e barbárie. Por que o problema não é a direita e a esquerda vencerem, isso faz parte do jogo, mas a barbárie ser relativizada, ponderada e aceita. A democracia não pode aceitar quem a utiliza visando à sua própria destruição", complementa.

Leia a íntegra no Blog do Sakamoto

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247