Senador reivindica na Justiça que Bolsonaro pague custos de produção de cloroquina

Senador Fabiano Contarato (Rede-ES) reivindica que Jair Bolsonaro pague o valor correspondente aos gastos públicos com produção ou aquisição de cloroquina

A gente vive uma ditadura em plena democracia.
A gente vive uma ditadura em plena democracia. (Foto: Beto Barata/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) entrou na Justiça nesta terça-feira (4) contra a União e Jair Bolsonaro para dar um basta aos gastos públicos na produção e aquisição do medicamento cloroquina, que não possui ação alguma no combate ao novo coronavírus. 

Segundo informou o jornal Folha de S.Paulo, o parlamentar pede que Jair Bolsonaro pague o valor correspondente aos gastos públicos com produção ou aquisição do medicamento. 

“A saúde pública está sendo exposta a um risco gravíssimo. Recorremos à Justiça porque não há estudo científico que comprove a eficácia dos medicamentos”, diz Contarato.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247