Tijolaço: processo das delações gera promiscuidade entre MP e bandidos

As gravações dos delatores da JBS mostra algo terrível sobre o processo de delação: a promiscuidade com empresários-bandidos por parte dos procuradores do MPF, uma vez que, postos a negociar, é de se esperar que os “negócios” resultem em benefícios pessoais; isso ajuda a explicar porque a Polícia Federal também quer firmar acordos de delação, explica o jornalista Fernando Brito, do blog Tijolaço

As gravações dos delatores da JBS mostra algo terrível sobre o processo de delação: a promiscuidade com empresários-bandidos por parte dos procuradores do MPF, uma vez que, postos a negociar, é de se esperar que os “negócios” resultem em benefícios pessoais; isso ajuda a explicar porque a Polícia Federal também quer firmar acordos de delação, explica o jornalista Fernando Brito, do blog Tijolaço
As gravações dos delatores da JBS mostra algo terrível sobre o processo de delação: a promiscuidade com empresários-bandidos por parte dos procuradores do MPF, uma vez que, postos a negociar, é de se esperar que os “negócios” resultem em benefícios pessoais; isso ajuda a explicar porque a Polícia Federal também quer firmar acordos de delação, explica o jornalista Fernando Brito, do blog Tijolaço (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tijolaço - A revelação de que o ex-procurador Marcelo Miller, então braço direito de Rodrigo Janot, trocava e-mails de aconselhamento e participava do planejamento de gravações dos delatores da JBS mostra um aspecto terrível do que o processo de delação premiada criou no Ministério Público: a promiscuidade com empresários-bandidos, uma vez que, postos a negociar, é de se esperar que os “negócios” resultem em benefícios pessoais.

Afinal, estão em jogo meses ou anos de cadeia para homens ricos e indenizações bilionárias a serem pagas pelas empresas. Qualquer “desconto” tem potencial para render polpudas vantagens para quem os concede.

Talvez seja esta uma boa questão a se pensar para entender porque a Polícia Federal quer também o poder de firmar acordos de delação e porque o Ministério Público quer o seu monopólio.

Ainda mais porque a homologação judicial destes acordos virou mera etapa burocrática e não há senão raríssimas notícias de que algum juiz oponha resistências a concordar com o acerto, exigindo no máximo alguns reparos formais no “contrato de delação”.

Como provar acusações virou coisa do passado, basta que o encrencado aponte o dedo e diga que fulano ou beltrano fez “acertos” que está tudo pronto para a condenação.

As falas da bandidagem da JBS, entretanto, têm um efeito mais imediato, atingível até por quem se limita a pensar “dentro da caixinha” e não percebe que o processo delacional tornou-se, ele próprio, um veneno para a verdade.

É que tornam verossímil o trecho da “conversa de bebuns” onde se diz que, via Marcelo Miller, Janot tinha conhecimento das patranhas que armavam. Miller não era um “bagrinho”, como – em março, bem antes desta história todo – o Estadão registrou apontando-o como o negociador da delação de Delcídio do Amaral e de Sérgio Machado, da Transpetro, ambas com o expediente de gravações subreptícias e participante dos entendimentos com o meganegócio com 77 executivos da Odebrecht.

Já não era crível que o chefe da Procuradoria estivesse  alheio a como se negociava uma megadelação como esta mas, agora, com seu pupilo entrando na lama da JBS até a medula, como acreditar que ele subscreva sem pestanejar um perdão “amplo, geral e irrestrito” a quem confessava ter corrompido dezenas ou centenas de políticos?

A não ser que o Dr. Janot queira nos convencer de que é um parvo, um bobo, um otário a quem dois escroques e um colega “acertado” passem para trás sem cerimônia ou dificuldade, num assunto de tamanha seriedade.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247