Alunos e médicos do HUB protestam em Brasília

Os cerca de 200 manifestantes reivindicam melhorias nas condições de atendimento; os estudantes do Hospital Universitário de Brasília pedem, sobretudo, uma definição quanto à administração do hospital, que é vinculado à UnB

Os cerca de 200 manifestantes reivindicam melhorias nas condições de atendimento; os estudantes do Hospital Universitário de Brasília pedem, sobretudo, uma definição quanto à administração do hospital, que é vinculado à UnB
Os cerca de 200 manifestantes reivindicam melhorias nas condições de atendimento; os estudantes do Hospital Universitário de Brasília pedem, sobretudo, uma definição quanto à administração do hospital, que é vinculado à UnB (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Carolina Sarres
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Os alunos e os médicos do Hospital Universitário de Brasília (HUB) fizeram um protesto hoje (21) por melhorias nas condições de atendimento. Os cerca de 200 manifestantes chegaram a fechar uma pista da L2 Norte, no Plano Piloto, no sentido sul-norte, em frente ao hospital. O trânsito ficou parcialmente impedido por um tempo no final da manhã, mas em seguida viaturas do Departamento de Trânsito (Detran) do Distrito Federal e da Polícia Militar (PM) chegaram para normalizar o fluxo de veículos.

Os estudantes do HUB pedem, sobretudo, uma definição quanto à administração do hospital, que é vinculado à Universidade de Brasília (UnB). A gestão do HUB passou à responsabilidade da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) em janeiro deste ano. De acordo com os alunos, isso acabou gerando indefinição em relação às responsabilidades dos entes públicos – no caso, a Ebserh e a administração da UnB.

De acordo com a assessoria de imprensa do HUB, os diretores do hospital estão em uma viagem de capacitação. O diretor em exercício, Sérgio Pedrosa, se dispôs a reunir-se com os estudantes, que não aceitaram a proposta e querem um encontro com os titulares.
"Nós temos muita força de vontade, porque não temos os meios. O hospital entrou em decadência nos últimos meses. Parece que a administração abriu mão", reclamou a residente em pediatria Clarinda Oliveira.

Segundo os manifestantes, não há equipamentos para a realização de exames de imagem (como raio X, tomografia e ressonância magnética) e faltam professores em diversas especialidades – como otorrinolaringologia e anestesia. A carência de anestesista, por exemplo, faz com que cirurgias sejam suspensas com frequência, informou o residente Paulo Cunha.

De acordo com a assessoria do HUB, desde que assinou contrato com a empresa pública, o hospital recebeu investimentos para a melhoria do atendimento e das condições de trabalho dos mais de 2 mil funcionários da unidade. Em abril deste ano, a Ebserh começou a entregar equipamentos para diversos setores, parte de um investimento de R$ 9 milhões, informou o hospital.

Em relação aos equipamentos de radiologia, o HUB explicou que a Ebserh tem mantido contato com as empresas fabricantes para que os aparelhos estejam funcionando o mais rápido possível. As peças que têm de ser repostas para o funcionamento do tomógrafo, da densitometria óssea e do equipamento de raio X devem ser substituídas até o final do mês.

A unidade de terapia intensiva (UTI) do hospital está fechada, assim como a UTI Neonatal, o que impede atendimento a gestantes de alto risco. A assessoria do hospital informou que a UTI está fechada para adequações técnicas apontadas em vistoria da vigilância sanitária. Em relação à UTI Neonatal, a intenção do hospital é contratar 19 profissionais por meio de concurso público.

Em tese, os médicos do HUB devem ser contratados por concurso. Devido à falta crônica de profissionais, os médicos passaram a ser admitidos por meio de contratos. Com a piora das condições de trabalho e a oferta de salários mais atrativos em outros hospitais, vários profissionais deixaram o hospital. O próximo concurso da Ebserh para a admissão de novos médicos está previsto para janeiro de 2014.

Edição: Denise Griesinger

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email