Arthur Lira critica indiciamento de deputados: "uma CPI não pode tudo"

O presidente da Câmara defendeu que parlamentares são invioláveis em suas opiniões e rechaçou o trabalho do relator da CPI, Renan Calheiros

Arthur Lira
Arthur Lira (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News

Metrópoles - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fez um pronunciamento nesta quarta-feira (27/10) com duras críticas ao trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que concluiu os trabalhos nessa terça (26/10), com a votação do relatório apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Lira reclamou do indiciamento de deputados e disse que levará o caso para ser analisado no Conselho de Ética da Casa.

“Informo que esta Presidência analisará o teor e a aptidão processual do Relatório da CPI de forma minuciosa, à luz da Constituição Federal, em particular do direito à liberdade de expressão e da imunidade parlamentar por opiniões, palavras e votos, seguindo os ritos do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados e do Ato da Mesa n. 37, de 2009, de forma a garantir a liberdade e a dignidade do exercício do mandato parlamentar”, informou o presidente da Câmara.

PUBLICIDADE

 [...]

“Uma CPI pode muito, senhores, e quando conduzida com seriedade pode prestar relevante serviços à sociedade. Entretanto, uma CPI não pode tudo”, enfatizou.

PUBLICIDADE

 Leia a íntegra no Metrópoles.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email