Bispo é preso suspeito de estuprar fiéis no Distrito Federal

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, entre as vítimas está uma menina de 13 anos que procurou o líder religioso para pedir conselhos sobre sua orientação sexual. O abusador, então, respondeu indicando um “tratamento” que consistia em passar o que ele dizia ser óleo ungido nas partes íntimas da menina

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O bispo João Batista dos Santos, que comanda 8 igrejas evangélicas, é acusado de estuprar mulheres e adolescentes no Gama, Recanto das Emas, em Cristalina e Goiânia. Ele foi detido no Aeroporto Internacional de Brasília, quando voltava de Foz do Iguaçu, no Paraná. A informação é do site Metrópoles.

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, entre as vítimas está uma menina de 13 anos que procurou o líder religioso para pedir conselhos sobre sua orientação sexual. O abusador, então, respondeu indicando um “tratamento” que consistia em passar o que ele dizia ser óleo ungido nas partes íntimas da menina.

“Ele disse que poderia ajudar e foi aí que aconteceu o primeiro abuso, que passou a ser reiterado. Posteriormente, descobrimos que ele já tinha outras ocorrências no nome dele com o mesmo modus operandi“, revelou o delegado chefe da 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas), Pablo Aguiar.

Ainda de acordo com a polícia, João Batista teria pedido para que a adolescente lhe enviasse fotos nuas, sob a alegação de que precisava das imagens para orar por ela no monte. A vítima desenvolveu síndrome do pânico e, no meio do tratamento, contou ao profissional e aos pais.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247